Residentes em psiquiatria do HGG passam a fazer estágio no Credeq

Parceria entre hospital e centro de reabilitação será lançada em agosto e vai qualificar estudantes em dependência química

Fachada do HGG | Foto: divulgação

O Centro de Referência e Excelência em Dependência Química (Credq) de Aparecida de Goiânia vai capacitar em dependência química os alunos da residência médica em psiquiatria do Hospital Alberto Rassi (HGG).

A formação profissional, que terá duração de um ano, inicia-se a partir do próximo mês. O lançamento oficial da parceria será no dia 3 de agosto, na sede do centro.

Na ocasião, será anunciada também a estruturação do Núcleo de Pesquisas e Estudos. O setor, que será comandada pelo médico Nelson Remy Gillet, desenvolverá conhecimentos científicos na área da saúde, com ênfase à dependência química. O gerente Médico da unidade de saúde, psiquiatra Airton Ferreira, também será o responsável por coordenar a Comissão de Residência Médica do Credeq.

“Essa é uma ênfase necessária ao avanço de estudos sobre dependência química. Que é uma área do conhecimento recente no campo da psiquiatria. Ser uma referência no tratamento dos dependentes exige que o Credeq se torne um campo de pesquisas, passando a desempenhar papel importante como celeiro de formação profissional e produção científica. O Credeq efetua mais um importante passo no rumo da excelência no tratamento dos pacientes, além de poder, em pouco tempo, consolidar-se como referência nesse campo do saber médico”, explicou o secretário da Saúde, Leonardo Vilela.

De acordo com o diretor técnico da unidade, psiquiatra Tiago Oliveira, a meta é firmar convênio com outras instituições que estejam interessadas em disponibilizar ao seu público qualificação com ênfase em dependência química.

“Estudar dependência química teoricamente e de modo superficial gera determinado nível de qualificação. Compreender e estagiar em um espaço de saúde que trata a dependência química suscita uma formação mais sólida”, asseverou.

Tiago Oliveira adianta, ainda, que as linhas de pesquisa e formação do conceito Credeq validarão o esforço da administração goiana em transformar a dependência química em política pública. “Goiás é o primeiro estado brasileiro a enfrentar a dependência química com foco científico e humanístico, deixando claro que todo dependente é cidadão e, portanto, com direito ao tratamento com qualidade e profissionais competentes”, acrescentou.

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.