Relator da CPI da Pandemia, Renan Calheiros é indiciado pela PF por corrupção

Senador alega que acusações não têm provas o suficiente e que ele estaria sofrendo retaliação do governo por ser contrário ao Bolsonaro na CPI da Covid

Renan Calheiros, senador pelo MDB de Alagoas, aponta retaliação pela conduta na CPI da Pandemia

O Supremo Tribunal Federal (STF) recebeu na última sexta-feira , 02, relatório da Polícia Federal no qual indicia o senador Renan Calheiros (MDB-AL) pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

As acusações seriam sobre uma suposta propina de R$ 1 milhão da Odebrecht que Calheiros teria recebido em troca de apoio a um projeto do interesse da empreiteira no Senado, na época em que ele era presidente da Casa, em 2012. O senador nega a acusação.

O crime teria acontecido em 2012 e o dinheiro teria sido passado para um motorista de Renan, na época. A incriminação se deu com base nos registros internos do sistema de pagamentos de propina da Odebrecht.

Nesses registros, é possível identificar o codinome “Justiça” ao repasse a Renan e uma ordem de pagamento em dinheiro vivo ao motorista, no dia 31 de maio de 2012, segundo a PF. O dinheiro seria em troca de apoio ao Projeto de Resolução do Senado n. 72/2010, convertido na Resolução do Senado Federal n. 13/2012.

Renan negou todas as acusações e em nota disse que “essa investigação está aberta desde março de 2017 e, como não encontraram prova alguma, pediram prorrogação”. Ele também alega que está sofrendo essa incriminação pelo fato de fazer duras críticas a como o governo Bolsonaro tem lidado com a pandemia, na CPI da Covid, mas afirma que “Não irei me intimidar. Os culpados pelas mortes, pelo atraso das vacinas, pela cloroquina e pela propina irão pagar”.

*Com informações de O Globo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.