Entre outros assuntos, peemedebista comentou sobre projeto que desengavetou da Casa e causa dor de cabeça ao Palácio do Planalto

Deputados durante apreciação da reforma política e eleitoral | Foto: Luís Macedo / Agência Câmara
Deputados durante apreciação da reforma política e eleitoral | Foto: Luís Macedo / Agência Câmara

O projeto de reforma política que tramita na Câmara também foi comentado por Eduardo Cunha durante sua rápida passagem por Goiânia, na manhã desta terça-feira (16/6). “Está saindo ao gosto pessoal de quem quer que seja. Até porque muitas coisas que aprovam você concorda com uma parte e discorda de outras. O que acontece é que está se votado. Muito se falava dela, mas ninguém votava e eu pedi pra votar. Consequentemente, se a decisão que está saindo não agrada é porque a maioria da Casa decidiu desse jeito”, respondeu, ao ser questionado se a apreciação está sendo conduzida de acordo com o que ele e seu partido desejavam.

[relacionadas artigos=”38183″]

A análise do presidente é a de que, na prática, maioria dos deputados está decidindo manter o modelo eleitoral atual. “Significa que estão contentes. O que vai acontecer é que vai acabar aquela hipocrisia de ficar pregando mudança quando, na realidade, na hora de votar [a favor de mudanças] não votam. É importante para tirar esse tema da agenda, vencer a barreira de ficar toda campanha eleitoral com o discurso pedindo reforma”, pontuou.

Eduardo Cunha saiu antes do término do encontro petebista. Justamente porque nesta terça-feira a Câmara dos Deputados deve retomar a votação dos projetos com a análise de novas regras para suplência de deputados e senadores, além da criação de cota para mulheres nos cargos de deputada e senadora.

Até agora, os parlamentares já aprovaram seis mudanças no sistema político e eleitoral, incluindo o fim da reeleição, mandato de cinco anos e financiamento privado de campanha. Por se tratar de Proposta de Emenda à Constituição (PECs), os textos serão submetidos a uma segunda votação no plenário principal da Câmara e a mais dois turnos no Senado.

Pacto federativo

Eduardo Cunha falou também sobre a votação do Pacto Federativo, projeto o qual prometeu votar durante campanha à presidência da Casa. Aos jornalistas, disse que a matéria será desmembrada em várias propostas.

Entre elas a PEC 172, que já tramita na Câmara e proíbe a transferência de encargos sem os recursos correspondentes aos estados e municípios. De autoria de Mendonça Filho (DEM-PE) o texto deve ser votado ainda neste semestre, garantiu o peemedebista.

Na quarta-feira (17), Eduardo Cunha se reúne com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), e prefeitos das capitais para debater propostas. “Consequentemente, outras propostas virão. Está havendo o desdobramento de propostas e o meu objetivo é dar curso a isso.”