Secretária de Educação, Cultura e Esporte diz estar horrorizada com manifestantes encapuzados que tomaram a sede da pasta na noite desta terça-feira (26/1)

Secretária lamenta invasão e agressividade dos manifestantes | Foto: Mônica Salvador
Secretária lamenta invasão e agressividade dos manifestantes | Foto: Mônica Salvador

A secretária de Educação, Cultura e Esporte, Raquel Teixeira, lamentou ao Jornal Opção a invasão ao prédio da Seduce na tarde desta terça-feira (26/1). Ela classificou a ação, assumida pelo grupo Secundaristas Em Luta, como “extremista, agressiva, radical e inaceitável”.

Um grupo de manifestantes encapuzados tomou conta do prédio, localizado na Avenida Anhanguera, Setor Oeste da capital, causando pânico nos funcionários que ainda permaneciam no local.

De acordo com informações, o grupo desligou as luzes, agindo rapidamente aos gritos, depredando o prédio e ameaçando os servidores. “Todos estão apavorados, abalados, passando mal e com medo. Uma funcionária da secretaria me disse que estavam armados com facas. Estou extremamente preocupada”, contou a titular da pasta.

O grupo que coordena o ato é contrário à instalação da gestão compartilhada das escolas estaduais por meio de Organizações Sociais (OSs) em Goiás. Nos últimos meses chegaram a ocupar 27 escolas, mas, desde a última segunda-feira (25/1), pais e alunos deram início ao movimento de desocupação das unidades de ensino.

[relacionadas artigos=”57341″]

“Esse grupo extrapolou todos os limites. É muito triste ver o que está acontecendo… A sociedade vive cenas de horror. São ações extremistas, agressivas e desnecessárias. Tenho funcionários que estão presos na secretaria desde as 18 horas, passando mal. É inaceitável”, relatou.

Raquel Teixeira lembra que, desde o início, manteve diálogo aberto com os manifestantes e que o governo respeita o movimento. “Temos tratado com tolerância, respeito e reconhecimento. Agora, essa foi uma atitude radical… Cenas de horror, encapuzados, ameaçando as pessoas, desligando as luzes”, lamentou.

A Polícia Militar (PM) enviou equipes à sede da Seduce. Os policiais estão do lado de fora do prédio. De acordo com a assessoria de imprensa da PM, as equipes tentam negociar a saída do grupo de manifestantes do prédio. “Confio na ação do secretário Joaquim Mesquita [Segurança Pública] e espero que a saída seja pacífica. Minha preocupação é com os servidores que estão presos”, completou.

Questionada sobre a participação de alunos das escolas estaduais, a secretaria preferiu não comentar, justamente, por não estar no local. Contudo, ela reconhece que há uma clara manipulação de estudantes: “Fico arrasada em ver pessoas com idade, maturidade, nível e estudo suficientes, manipulando jovens, atribuindo esses atos a eles. Não é nada disso”.