“Queria matar alguém para ver como era”, confessa jovem que decapitou colega no Japão

Várias ferramentas foram encontradas na casa da acusada. Ela confessou o crime e afirmou que equipamentos foram adquiridos para cometer o homicídio

Vítima Aiwa Matsuo, de 15 anos, foi decapitada na cidade de Sasebo, em Nagasaki | Foto: Reprodução / DailyMail

Vítima Aiwa Matsuo, de 16 anos, foi decapitada na cidade de Sasebo, em Nagasaki | Foto: Reprodução / DailyMail

Uma jovem japonesa de 16 anos que assassinou e decapitou uma companheira de classe na noite do último sábado (26/7) disse ter praticado o crime para “ver como era”. Segundo fontes da polícia da cidade de Sasebo, em Nagasaki, ela confessou o ato sem nenhum remorso.

“Eu mesma comprei tudo isso, queria matar alguém”, declarou a homicida, que reconheceu o crime após a prisão –– ela não teve o nome revelado por ser menor. A morte envolveu estrangulamento, decapitação e o corte da mão esquerda da colega de sala, com o uso de ferramentas e uma espécie de corda. O abdômen da vítima também foi aberto, conforme o jornal Yoiuri.

Os investigadores  descobriram ainda que quatro mensagens foram publicadas em um fórum de internet com fotografias de uma mão ensanguentada.

Os pais da vítima, Aiwa Matsuo, haviam alertado os agentes de segurança ao perceberem que a filha estava demorando a voltar para casa. Na manhã de domingo (27), o corpo da jovem, de 15 anos, foi encontrado na casa da acusada, que vivia sozinha, de acordo com veículos de comunicação locais.

A menor vai passar por exames psiquiátricos e já teria tido comportamentos preocupantes anos atrás. Apesar dos altos rendimentos na escola e nos esportes, a jovem teria colocado água sanitária na comida de colegas quando estava no ensino primário e dissecado animais. “Estava chateada com elas porque me desprezavam, riam de mim na classe”, comentou a presa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.