“A gente vai começar por grupos prioritários”, afirmou o ministro

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta quarta-feira, 18, que a dose de reforço do imunizante contra a Covid-19 deve seguir os mesmo critérios da vacinação e começar pelos idosos e profissionais da saúde. “Estamos planejando aqui, para que no momento em que tivermos todos os dados científicos, número de doses suficientes, já orientar o reforço dessa vacina, isso em relação a todos os imunizantes disponíveis”, afirmou o ministro.

Com o surgimento de novas cepas do vírus, como a variante Delta, estudos no mundo todo e de todas as vacinas começaram a serem feitos avaliando a possível aplicação de uma terceira dose do imunizante. No Brasil, esse estudo começou no fim de julho. “A gente vai começar por grupos prioritários. De novo, profissionais de saúde, os mais idosos”, disse o ministro da saúde brasileira caso decidam aplicar a dose reforço.

“Ainda não há evidência científica sólida de como deve ser. Se deve ser o mesmo imunizante, outro, e qual o momento de fazer isso”, explica o ministro. Queiroga também afirmou que em setembro devem decidir se reduzem o intervalo entre as doses da Pfizer de cerca de 3 meses para 21 dias.