Quadrilha que assaltava residências no Setor Jaó é presa

Jovens de Anápolis assaltaram pelo menos três casas desde o início deste ano

Carla Alves (esquerda), Samuel e Rafael (direita) | Foto: Laura Machado

Carla Alves (esquerda), Samuel Marques e Rafael Santana (direita) assaltaram pelo menos três casas no Setor Jaó, em Goiânia | Foto: Laura Machado

O delegado Maurício Massanobu Kai, do Grupo de Repressão a Roubos em Residências da Delegacia Estadual de Investigação Criminal (DEIC), apresentou na manhã desta quinta-feira (5/3) quatro jovens — Carla Alves, Everton Sena Guedes Lins, Rafael Santana de Almeida e Samuel Marques Fraga — de Anápolis presos por assaltarem pelo menos três residências no Setor Jaó, em Goiânia. A polícia chegou aos suspeitos através de filmagens de câmeras de segurança.

Carla, de apenas 20 anos, está grávida de Rafael, o suposto líder do grupo. Ele foi o primeiro a ser preso. Samuel e Carla foram encontrados em Aruanã enquanto tentavam fugir e Everton está foragido. O integrante mais velho da quadrilha tem 25 anos e todos já têm passagem por porte ilegal de arma, tráfico de drogas e roubo, menos Samuel.

O delegado supõe que Rafael, que é de família de classe média alta, tenha entrado para o mundo do crime pela “emoção” e para conseguir “prestígio” nesse meio. O suposto líder da quadrilha também está sendo investigado por dois assassinatos em Anápolis.

A quadrilha agia sempre a pé. Os jovens ficavam perambulando pelo setor esperando encontrar alguém entrando ou saindo de casa. Eles abordavam as vítimas com duas pistolas, que ainda não foram encontradas, e entravam junto com elas nas residências, onde pegavam tudo o que encontravam de valor. Por fim, o grupo fugia no carro da família. A escolha pelo Setor Jaó foi feita devido à proximidade da BR-153, que é saída para Anápolis, e pelas casas de alto padrão.

As vítimas relataram à polícia que a quadrilha era verbalmente agressiva e ameaçavam durante toda a ação com o fim de conseguir sempre mais objetos de valor. Uma das vítimas da quadrilha é um juiz, que foi rendido quando chegava em casa na companhia de sua filha nove anos. O quarteto, ao fugir no carro do magistrado, levou ambos, pai e filha, até a área rural de Aparecida de Goiânia, onde os abandonou.

A polícia não recuperou nada durante a prisão dos suspeitos. O delegado Maurício Kai explica que normalmente nesse tipo de crime os bandidos se desfazem rapidamente dos produtos roubados até mesmo para não produzir provas contra eles mesmos.

O Código Penal brasileiro prevê pena de quatro a dez anos para o crime de roubo. Neste caso, os jovens podem ficar ainda mais tempo encarcerados, pois existem agravantes como o uso de arma.

3
Deixe um comentário

3 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
3 Comment authors
cidadã de bem indignada!!

Parabéns à todas corporações da polícia: Civil, PM, Rotam e demais envolvidas nesta ação contra o crime!!!! Destaque para o comentário: “A escolha pelo Setor Jaó foi feita devido à proximidade da BR-153, que é saída para Anápolis.” De quem foi a ideia de criar a Rua da Divisa? Por causa dessa bendita rua, o pânico e insegurança assolam os moradores do bairro. No mínimo é mais uma falha de planejamento estratégico… Bem, não discutamos planejamento estratégico, é mito por aqui; renderia várias linhas de discussão. Sendo pragmáticos, qual ação corretiva a ser tomada agora? – bloquear a rua? –… Leia mais

maria cidadã indignada

Parabéns à todas corporações da polícia: Civil, PM, Rotam e demais envolvidas nesta ação contra o crime!!!! Destaque para o comentário: “A escolha pelo Setor Jaó foi feita devido à proximidade da BR-153, que é saída para Anápolis.” De quem foi a ideia de criar a Rua da Divisa? Por causa dessa bendita rua, o pânico e insegurança assolam os moradores do bairro. No mínimo é mais uma falha de planejamento estratégico… Bem, não discutamos planejamento estratégico, é mito por aqui; renderia várias linhas de discussão. Sendo pragmáticos, qual ação corretiva a ser tomada agora? – bloquear a rua? –… Leia mais

Valéria Vieira

A culpa não é da rua da divisa… Como dizia o filme Tropa de Elite… A culpa é do sistema… A corrupção, o poder, as leis defasadas, a proteção ao menor de idade, a violência e as drogas…
Quem pode muda pra condomínio fechado, muda de país… Também tem os que podem mudar mas não querem… A realidade está nas ruas, em todo lugar… Sou moradora do Santa Genoveva que divide com o Setor Jaó esse drama que não é só nosso, é da cidade toda, é o retrato do nosso país… Triste realidade!