PSDB Goiás volta a rebater acusações do MPF sobre doações de campanha de 2014

Em nota, partido comentou denúncia oferecida contra 35 envolvidos em suposto esquema criminoso na Saneago. Dentre eles, o presidente licenciado da legenda

O diretório PSDB em Goiás emitiu, na tarde desta terça-feira (13/9), novo comunicado sobre as investigações da Operação Decantação, um dia após o Ministério Público Federal (MPF) oferecer denúncia contra 35 envolvidos no suposto esquema criminoso responsável pelo desvio de cerca de R$ 5,2 milhões em recursos federais por meio da Saneago.

Dentre os denunciados, estão o ex-presidente da empresa José Taveira e o presidente licenciado do PSDB goiano Afrêni Gonçalves, ambos afastados de seus cargos após serem citados na operação.

Em nota, o partido reforça que não há qualquer indício de ligação entre as doações feitas ao PSDB de Goiás e os valores dos contratos sob investigação na estatal. “O PSDB de Goiás é estritamente rigoroso no cumprimento da legislação eleitoral e todas as doações percebidas pelo partido foram e serão rigorosamente declaradas à Justiça Eleitoral”, diz o comunicado assinado pela sigla.

De acordo com denúncia oferecida pelo MPF, dirigentes e colaboradores da Saneago teriam promovido licitações fraudulentas mediante a contratação irregular de uma empresa de consultoria, desviando para pagamento de propinas e dívidas de campanha recursos provenientes do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), de financiamentos do BNDES e da Caixa Econômica Federal.

O PSDB frisa que foi apenas um dos 11 partidos do Estado que receberam doações de empresas citadas nas apurações. Conforme destaca a legenda, na campanha de 2014, somente 11% do valor total doado foi destinado à legenda por meio de cessão de uso de bens, não tendo recebido doações em valores financeiros. Confira abaixo a nota na íntegra:

A propósito da denúncia enviada pelo Ministério Público Federal à Justiça a partir das investigações da Operação Decantação, o Diretório do PSDB de Goiás vem afirmar que:

1 – Não há qualquer fato, evidência ou indício novos que contrariem os esclarecimentos já prestados pelo partido acerca da apuração. Não há, como não havia, qualquer ligação, direta ou indireta, entre as doações feitas ao PSDB de Goiás e os valores dos contratos sob investigação na Saneamento de Goiás S.A. (Saneago).

2 – O PSDB de Goiás é estritamente rigoroso no cumprimento da legislação eleitoral e todas as doações percebidas pelo partido foram e serão rigorosamente declaradas à Justiça Eleitoral. O partido reafirma seu irrestrito apoio às investigações realizadas pela Operação Decantação e sua inteira disposição em colaborar para que as questões levantadas na apuração sejam plenamente esclarecidas.

3 – Conforme já esclarecido pelo Diretório Estadual, o PSDB foi um dos 11 partidos de Goiás que receberam doações de empresas citadas nas apurações. A discriminação das doações e a relação dos partidos que as receberam apresentadas nos autos foram obtidas justamente a partir da prestação de contas apresentada pelos partidos à Justiça Eleitoral.

4 – Vale ressaltar novamente que, conforme as informações legalmente declaradas, dos R$ 3.878.500,00 doados nos pleitos de 2008, 2010, 2012 e 2014 aos 11 partidos citados, o PSDB percebeu R$ 1.835.000,00 em doações eleitorais.

5 – Também conforme já esclarecido, em 2014 o PSDB de Goiás percebeu R$ 440 mil (11% do valor total, portanto), obtidos por meio de cessão de uso de bens. As prestações de contas das quatro eleições em questão também demonstram que, dos 23 beneficiários das doações, apenas o candidato do PSDB não recebeu doações em valores financeiros.

6 – Mais uma vez, o PSDB de Goiás lamenta profundamente as tentativas de imputação de favorecimento, da agremiação e de seus candidatos, em doações para campanhas eleitorais e reafirma sua convicção de que todas as questões levantadas serão plenamente esclarecidas.

Goiânia, 13 de setembro de 2016.

Diretório Estadual do PSDB

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.