Apesar da vitória no voto popular, promotor ainda precisa aguardar a indicação do Procurador Geral de Justiça de Goiás

Nesta terça-feira, 15, ocorreu a eleição no Ministério Público de Goiás (MP-GO) para a cadeira da instituição no Conselho Nacional de Justiça (CNJ). A disputa ficou entre os candidatos Carlos Vinícius Alves Ribeiro e Mário Henrique Caixeta. O eleito foi o Procurador Carlos Vinicius, que recebeu 201 votos dos 321 possíveis. Eleito no voto popular, ele agora aguarda a escolha por parte do Procurador Geral de Justiça de Goiás, Ailton Vecchi, que tem até o dia 21 de dezembro para ratificar a escolha. Em entrevista, Carlos Vinicius explicou como funcionou o processo eleitoral.

Segundo Carlos Vinicius Alves Ribeiro, a vaga que hoje é ocupada por Ivana Farina é destinada aos Ministérios Públicos Estaduais, no Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Todos os Ministérios Públicos (MP) do Brasil têm uma vaga no CNJ. Cada Ministério Público elabora uma lista tríplice, formada essa lista, o Procurador Geral de Justiça, no caso de Goiás, o Dr. Ailton Vecchi, escolhe um dos nomes e indica para o Procurador Geral da República. Como houve apenas dois candidatos goianos, então foi realizado o pleito eleitoral.

Todos os membros do Ministério Público poderiam votar. O nome de Vinicius Alves Ribeiro será levado agora ao Procurador Geral de Justiça de Goiás, que deve indicá-lo ao Procurador Geral da República, até a data limite em 21 de dezembro.

Apesar de ter sido eleito no voto popular, Carlos Vinicius Alves Ribeiro destacou que esta vitória é apenas parte do processo. O procurador destacou que a escolha está a cargo do Procurador de Justiça de Goiás, Ailton Vecchi. Carlos Vinicius esclarece que o escolhido será o candidato que tiver mais viabilidade na próxima etapa do processo, a escolha pelo Procurador Geral da República.

“Não existe essa tendência. Essa prerrogativa da escolha é do Procurador Geral de Justiça de Goiás. Ainda que o Mário Henrique tivesse um voto e eu 400, estando o Mário Henrique na lista essa seria uma prerrogativa do procurador Ailton”, explicou.

Vitorioso na 1ª fase da eleição, Carlos Vinicius mantém os pés no chão. Em sua análise, o triunfo demonstra um rearranjo nos poderes do MP-GO, pois durante o processo eleitoral ele não contou com apoios de pares importantes dentro da instituição. Segundo ele, há a ascensão de novas forças dentro da instituição.

Por fim, Carlos Vinicius atribuiu a sua vitória a sua atuação dentro do Ministério Público. Segundo ele, a sua atuação ponderada e a sua abertura ao diálogo foram fatores fundamentais para a sua eleição. Carlos Vinicius definiu o seu perfil como “técnico, sério e que não estimula brigas internas”.

De acordo com o promotor, essa eleição ocorre com alguma folga de calendário, pois demora um tempo para que o Senado faça a sabatina e votação em plenário. Sendo a aclamação apenas para o segundo semestre.