Professor da UFG faz desabafo após ser expulso de faculdade ocupada

Escola de Música e Artes Cênicas está ocupada por manifestantes contra a aprovação da PEC do Teto de Gastos no Congresso Nacional

Após serem expulsos do prédio, professor e alunos tiveram que fazer a orientação acadêmica no estacionamento da universidade | Foto: Reprodução Facebook

Após serem expulsos do prédio, professor e alunos tiveram que fazer a orientação acadêmica no estacionamento da universidade | Foto: Reprodução Facebook

O professor universitário Wolney Alfredo Unes, da Escola de Música e Artes Cênicas (Emac) da Universidade Federal de Goiás (UFG), usou as redes sociais para fazer um desabafo depois de ser impedido de permanecer nas dependências do prédio onde trabalha por manifestantes contrários à PEC 241/55. O episódio ocorreu na última terça-feira (1º/11).

O docente relatou que sofreu constrangimento e foi obrigado a deixar a Emac, no Campus II da UFG, juntamente com outros três alunos com quem havia marcado uma orientação acadêmica no local. “Em 25 anos de Universidade Federal de Goiás nunca havia passado por tamanho constrangimento nem presenciado tal violência”, escreveu.

Desde o dia 25 de outubro, a Emac, assim como outras unidades da UFG, inclusive a reitoria, está ocupada por manifestantes, em sua maioria estudantes, mas também servidores técnico-administrativos e professores, em protesto contra o Projeto de Emenda a Constituição que tramita no Senado Federal e prevê um teto de gastos públicos pelos próximos 20 anos.

Segundo Unes, o encontro com os alunos estava marcado há meses. Quando chegou ao local, os ocupantes pediram que ele e os alunos apresentassem documento de identificação.

“Perguntamos à garota sentada à mesa na porta se poderíamos entrar. Ela disse que sim com um belo sorriso, e pediu um documento de identificação. Sorriso de volta, respondi que gostaria então de ver um seu documento também. Como nenhum de nós tinha nem tem poder de polícia para exigir identificação do outro, entramos no prédio público em que sou servidor sem identificação mesmo – aliás como venho fazendo nos últimos 25 anos e como já fiz em várias outras universidades, fosse como estudante, professor ou simples visitante (às vezes até mesmo apenas em busca de um banheiro!).”

Ainda de acordo com o relato, uma vez no prédio, o professor e os estudantes foram intimidados e impedidos de realizar a orientação, até que o grupo de ocupantes os expulsou “aos gritos”.

“Finalmente, pedi a palavra e perguntei: podemos ficar aqui? Sim, poderíamos. E podemos continuar nossa atividade? Não, não poderíamos. E se continuarmos? Não permitiriam – e a partir dessa resposta, olhando para o rapagão com o canto do olho, não quis perguntar quais seriam os meios. Levantei-me e convidei meus três alunos para nos irmos.
Fomos escoltados aos gritos até a porta onde estava a tal mesa. No caminho ainda perguntei se estávamos sendo expulsos do prédio público. Sim, estávamos”.

Confira na íntegra o relato do professor:

Deixe um comentário