Procon-GO irá investigar preços abusivos de máscaras e álcool em gel

Pandemia impulsionou alta dos produtos, que não têm limites na margem de lucro, mas que pode chegar a ser classificado como ilegal após investigação 

Até a sexta-feira, 13, Goiás registrava três casos confirmados da doença | Foto: reprodução/Agência Brasil

O Procon-GO irá monitorar os preços praticados pelas farmácias da Região Metropolitana sobre álcool em gel, máscaras e luvas a partir desta segunda-feira, 16. De acordo com o órgão, apesar de não haver limites na margem de lucro dos produtos, o Código de Defesa do Consumidor proíbe a prática de preços abusivos, uma forma de inibir o mercado a aproveitar momentos de fragilidade do País.

A demanda pelos itens vendidos nas farmácia já crescia exponencialmente em razão do novo coronavírus, com a confirmação dos primeiros casos em Goiânia, o crescimento se acentuou e já há o registro de prateleiras vazias. Além da análise de valores, o órgão de fiscalização irá buscar identificar a quantidade média de produtos ainda disponível.

Ao Jornal Opção, o gerente de pesquisa e cálculo do Procon-GO, Gleidson Thomaz, diz que o trabalho do órgão irá se concentrar em analisar os preços levando em consideração toda a cadeia produtiva, desde os fabricantes a até os revendedores, para só depois identificar se há prática irregular e aonde se encontra.

“Se a farmácia está vendendo mais caro vamos analisar a cadeia de preços. Se houver o indício, o primeiro passo é montar um processo administrativo que vai analisar as documentações”, explica Gleidson.

Consumidores que se sentem lesados pelo mercado podem registrar denúncia, sempre pelo disque 151 ou pelo site.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.