Prioridade do PDT goiano é manter vaga na Câmara dos Deputados

Vice-presidente regional do partido, vereador Paulinho Graus analisa que a legenda perdeu grande número de parlamentares no Congresso. Sobre a chapa majoritária, defende nome do PMDB

Vereador ressaltou que partido estará unido após convenções

Vereador ressaltou que partido estará unido após convenções. Foto: Marcello Dantas/Jornal Opção Online

O PDT nacional exigiu como prioridade da legenda em Goiás a manutenção da vaga de deputado federal nas próximas eleições, ocupada atualmente por Flávia Morais. Segundo o vice-presidente regional, o vereador por Goiânia Paulinho Graus (PDT), isso se justifica pelo fato de seu partido ter perdido nove vagas na Câmara dos Deputados para novos partidos, como o Solidariedade.

“Temos que analisar bem antes de coligar. Ver se o partido ou coligação tem condições de fazer legenda para eleger um deputado”, contou, ao analisar que não é possível entrar em aventura eleitoral sem garantias. Para ele, Flávia tem toda a autoridade para guiar projeto político com o objetivo de se reeleger.

Nesta semana, ele esteve com o ministro do Trabalho, Manoel Dias, secretário-geral nacional do partido para tratar sobre a reforma administrativa da Prefeitura de Goiânia.

Base aliada

A respeito das declarações de um possível retorno de Flávia à base aliada do governador Marconi Perillo (PSDB), caso seja candidato, Paulinho não acredita nessa hipótese.

Vanderlan Cardoso

Em recentes falas, Flávia tem mostrado indisposição em apoiar o pré-candidato ao governo estadual pelo PSB, o empresário e ex-prefeito de Senador Canedo Vanderlan Cardoso. Sobre isso, Paulinho –– também presidente municipal do PDT –– afirma que o pessebista tem chances de eleição, mas que a posição de Flávia tem que ser respeitada.

Apoio ao PMDB

Defensor de uma chapa a governador liderada pelo PMDB, Paulinho analisa que cada integrante do PDT em Goiás tem um posicionamento, como o presidente regional George Morais (esposo de Flávia) e o deputado estadual José de Lima. “Partido é isso, dividido. Mas após as convenções, quem perdeu tem que seguir quem ganhou”, avaliou, complementando que depois de junho, o partido será um só.

Apesar de falar da preferência pelo PMDB, o vereador não arrisca apontar entre o ex-governador Iris Rezende e o empresário Júnior Friboi qual seria o melhor nome para a disputa eleitoral. Prefere não entrar nessa seara de indefinição peemedebista. Enquanto Flávia, preferencialmente, tende à candidatura de Friboi, o prefeito de Inhumas, Dioji Ikeda, demonstra proximidade ao pré-candidato do PT, o ex-prefeito de Anápolis Antônio Gomide. No entanto, é a parlamentar federal quem vai decidir o candidato a ser apoiado pelo PDT.

O Jornal Opção Online tentou contato com Flávia para comentar o assunto, mas por estar em constantes viagens, as ligações não foram atendidas.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.