Prefeitura de Goiânia deve trocar presidentes do Imas e do IPSM

Apesar de gestão Iris tentar criar interpretação alternativa, lei que impede indicação política aos institutos municipais deve ser cumprida tão logo seja publicada

Sebastião Peixoto, indicação do MDB, e Sílvio Fernandes, indicação do senador Ronaldo Caiado (DEM): devem deixar administração | Fotos: reprodução

O prefeito de Goiânia, Iris Rezende (MDB), pode se preparar para trocar em breve o comando dos dois institutos municipais, o Imas (que funciona como plano de saúde) e o IPSM (a previdência dos servidores).

Isso porque a lei que exige que só podem ser indicados para a presidência dos dois órgãos funcionários de carreira deve ser publicada no Diário Oficial do Município nos próximos dias.

A expectativa é do autor do projeto de emenda à Lei Orgânica, aprovado por unanimidade no começo deste mês, vereador GCM Romário Policarpo (PTC). Ao Jornal Opção, ele garantiu que a redação é clara: a partir da publicação da lei, a medida está valendo.

“A prefeitura está com esse suposto entendimento de que [a lei] só vale para o próximo gestor. Esse entendimento não é o da Casa, não é o da procuradoria e não será o da Justiça, que procuraremos caso haja descumprimento”, disse.

Aliados do Paço dão a entender que os atuais presidentes, Sebastião Peixoto (Imas) e Sílvio Fernandes (IPSM), não precisariam atender às novas diretrizes, que só valeriam “daqui para frente”.

“A troca deverá ser feita imediatamente à publicação da lei. Insisto: a redação é bem clara, diz que é obrigatório um servidor de carreira à frente dos institutos”, reiterou Policarpo.

Como se trata de uma emenda à Lei Orgânica do Município o projeto não precisa ser sancionado pelo prefeito da capital e a publicação fica a cargo do chefe do Poder Legislativo, que tem até 30 dias. “Esperamos que o presidente Andrey Azeredo o faça o mais breve possível”, arrematou.

Deixe um comentário