“População aprova nossa maneira de fazer política, com propostas e sem ataques”, afirma Vanderlan

Candidato do PSB à prefeitura de Goiânia comemora crescimento nas pesquisas e garante que não entrará no jogo dos adversários

Vanderlan durante sabatina na Acieg | Foto: divulgação

Vanderlan durante sabatina na Acieg | Foto: divulgação

Em entrevista ao programa Falando Francamente, da rádio Clube FM, Vanderlan Cardoso disse que a campanha da coligação Uma Nova Goiânia cresce a cada dia, pois a população entendeu as propostas que têm sido apresentadas. “Nós trabalhamos muito na pré-campanha, andando pela cidade e conversando com a população. E agora com o horário eleitoral, o povo nos conheceu e por isso estão aceitando bem as nossas propostas”, argumentou.

De acordo com o candidato do PSB à prefeitura, o goianiense quer o “básico do básico, pois nem isso anda tendo”. Ele atribui o sucesso nas ruas e nas pesquisas a um conjunto de coisas. “O contato com o eleitor, as propostas que estão sendo apresentadas de maneira simples. Eu sempre me vejo do lado do eleitor, e por isso faço campanha assim”, disse.

Com o crescimento, Vanderlan também conta que tem aumentado os ataques por parte dos adversários. “E você pode ver aí que nos últimos dias, quando nós subimos nas pesquisas, começaram a nos atacar. O eleitor quer propostas, e não ataques infundados. Ontem, por exemplo, eu fui a uma reunião em uma escolinha de iniciação esportiva e vi a felicidade dos pais que têm seus filhos fora da ociosidade”, disse o candidato ao afirmar que o a proximidade com a realidade da população é que faz um bom gestor.

“A verdade é que Goiânia vem sendo administrada com raiva, com rancor. Eu ganhei e perdi eleições e não fiquei remoendo, fui ao governo do Estado para pedir ajuda quando assumi a prefeitura de Senador Canedo. Nenhum polo foi instalado em Goiânia, então a cidade foi ficando pra trás. As cidades da região todas cresceram e estão prósperas, com investimentos bem aceitos. E o que tem pra Goiânia?”, questionou Vanderlan.

Outro ponto destacado pelo candidato e que, segundo ele é fácil de resolver, é a questão das regularizações de imóveis e áreas pela cidade: “Eu quero trabalhar pela cidade, buscando parceria com todos, deputados, vereadores, senadores, governo estadual e federal. Muita gente tem buscado por regulamentação fundiária, uma coisa simples. E nós vamos intensificar a regularização para dar escrituras para estas pessoas”.

Pesquisas

“Eu acho que tanto a pesquisa Serpes/O Popular como outras mostram que o eleitor não é bobo. Você precisa ver uma pergunta, super bem elaborada por um jovem, ao dizer que sabe que a segurança pública é obrigação do estado, mas queria saber como o prefeito, como líder do município, poderia fazer. Ou seja, todos estão bem informados e sabem o que querem e também estão atentos ao passado do candidato”, destacou Vanderlan.

Ele também atribui os números que mostram crescimento em todos os levantamentos, e em todas as semanas, à forma como faz política. “Eu vim para a política para fazer política e não para fazer inimigos. Eu nunca parti para o pessoal. Essa forma sem rancor de fazer política é que me dá também a menor rejeição, e a população tem entendido isso”, disse o candidato ao se referir aos números que sempre o mostram como o candidato menos rejeitado pelo eleitor da capital.

Reta final

“Nós vamos continuar apresentando nossas propostas. Nos próximos dias vamos mostrar ações sociais, para as mulheres, meio ambiente, além de intensificar nossas caminhadas com vereadores, militância. Onde a gente tem ido a população tem nos recebido bem”, disse Vanderlan sobre os últimos dias de campanha no primeiro turno.

Ele disse que não vai partir para o ataque e, mesmo sendo atacado pela velha política, não vai entrar nessa briga. “O que está sendo decisivo para a população são as propostas, o jeito de fazer política, sem ataques aos concorrentes. Você não imagina como o povo estava esperando as propostas, como a das regionais”.

O candidato reforça que a população quer planos possíveis, como a iluminação da cidade, cuidar das praças, nada extraordinário como metrô e obras gigantescas. “Estamos mapeando uma ligação entre os bairros, com a construção de uma simples ponte, o que vai diminuir as distâncias. Tentam passar a ideia de que Goiânia está toda asfaltada, mas a população vem falar com a gente que não tem asfalto nos bairros e o povo está revoltado porque o asfalto não chegou”, lembrou.

Propostas

A saúde é o item número um, segundo Vanderlan Cardoso. “Tem de investir no médico lá do bairro, no posto de saúde, no PSF (Programa de Saúde da Família). Quando a pessoa começa a ser atendido no início do programa, aí só depois vai pro especialista. Hoje tem 43% de cobertura, mas só papel. No primeiro ano nós vamos partir para 80%, com isso vai diminuir as filas enormes nos Cais e nas Upas”.

O candidato lembra que, devido à falta de estrutura das equipes de saúde, a população, atualmente, com um problema simples vai para as unidades de urgência e isso está desumano. “Hoje as unidades não tem o básico para trabalhar. Vamos investir também nos centros de especialidades. Vamos fazer o trabalho comprando os serviços dos particulares para consultas, exames, cirurgias. Todas as regiões têm laboratórios, consultórios. Muitos hospitais precisam de dinheiro para se manter. O SUS paga uma parte e a prefeitura paga a outra, é assim que vai funcionar”.

Para melhorar a educação, Vanderlan defende que o orçamento da pasta seja gerido pelos próprios profissionais, com a supervisão do prefeito. “Eles é que acompanham as necessidades e vão decidir o que tem de construir, reformar, os direitos dos professores e as prioridades. As coisas comigo são claras, abertas e é dessa forma que vamos trabalhar e vai começar a sobrar dinheiro para investir em novas escolas e em reformas”.

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.