Polícia Federal diz que professor preso por PMs ao se negar a tirar faixa contra Bolsonaro não cometeu crime

Na noite da última segunda-feira, 31, Arquidones Bites foi abordado por policiais militares, em Trindade, cidade onde mora e já foi vereador por dois mandatos, por ter afixado no capô de seu carro uma faixa que diz “Fora Bolsonaro genocida”

Carro com faixa com os dizeres “Fora Bolsonaro genocida” | Foto: reprodução

A Polícia Federal, em Goiânia emitiu nota à imprensa se posicionando sobre o fato envolvendo o professor de História e secretário estadual do PT Arquidones Bites Leão Leite, que foi  abordado e preso por policiais militares – os quais não usavam máscaras – por ter, afixada no capô de seu carro, uma faixa com os dizeres “Fora Bolsonaro genocida”.  

Segundo a nota, a Superintendência Regional da Polícia Federal em Goiás constatou que, após realizar a oitiva de todos os envolvidos, “entendeu-se não ter havido transgressão criminal de dispositivo tipificado na Lei de Segurança Nacional”, diz trecho do documento.

Entenda o caso

Na noite da última segunda-feira, 31, Arquidones Bites foi abordado por policiais militares, em Trindade, cidade onde mora e já foi vereador por dois mandatos, por ter afixado no capô de seu carro uma faixa que diz “Fora Bolsonaro genocida”. O professor de história portou a mesma faixa durante a manifestação de sábado, 29, da qual participou, em Goiânia.

Baseando-se no artigo 26 (que dispõe sobre calúnia contra autoridade), da Lei de Segurança Nacional, os PMs solicitaram a retirada da faixa e protesto, mas o secretário estadual do PT se recusou a atender a demanda dos agentes e reiterou “é genocida mesmo”. Arquidones foi encaminhado a uma delegacia da cidade.

Diante da recusa do delegado local em registrar queixa, os policiais conduziram o professor à sede da Polícia Federal, na capital goiana. Ao prestar depoimento e ser assistido pelo advogado Edilberto Dias, que também é filiado ao Partido dos Trabalhadores, Arquidones foi liberado pelo delegado da PF, Franklin Roosevelt.

Veja a íntegra da nota:

Condução de cidadão com faixa de protesto contra o governo federal

Goiânia/GO – Com relação aos fatos envolvendo pessoa conduzida e apresentada a esta Instituição no dia de ontem (31/05), por manter no capô de seu veículo particular faixa contendo manifestação de protesto em relação ao Governo Federal, a Superintendência Regional da Polícia Federal em Goiás informa que, após realizar a oitiva de todos os envolvidos, entendeu-se não ter havido transgressão criminal de dispositivo tipificado na Lei de Segurança Nacional. A Polícia Federal reafirma seu comprometimento no combate à criminalidade em todas as suas vertentes, respeitando o Estado Democrático de Direito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.