O delegado Ricardo Viana, chefe da 6ª Delegacia de Polícia, encerrou o inquérito da maior chacina do Distrito Federal. O delegado detalhou nesta sexta-feira, 27, a cronologia dos assassinatos, e os papéis de cada criminoso na execução das vítimas.

A motivação do crime a princípio seria por briga de terras, mas conclui-se que é pela chácara em que parte delas moravam, no Itapoã, avaliada em R$ 2 milhões. No terreno, viviam Gideon Batista de Menezes, de 55 anos, e Horácio Carlos, de 49 anos, os suspeitos de participar da chacina.

Os suspeitos, Gideon e Horácio Carlos contaram a polícia que eram funcionários do mecânico Marcos Antônio Lopes de Oliveira, 54, e que pretendia vender a chácara após os crimes. O plano era assassinar a família para tomar posse do terreno.

A ex-mulher de Marcos Antônio, Cláudia Regina Marques de Oliveira, de 55, tinha vendido uma casa no valor d R$ 200 mil. A parti disso o plano dos criminosos passou a envolver, também, o restante da família de Marcos.

Cronologia

O plano começou na chácara, no dia 28 de dezembro, quando Marcos Antônio, a esposa dele, Renata Juliene Belchior, de 52, e a filha do casal, Gabriela Belchior de Oliveira, de 25, foram pegos. Marcos Antônio foi o primeiro a ser morto.

A estratégia dos criminosos, Fabrício Silva Canhedo, de 34; Carlomam dos Santos Nogueira, de 26; e o adolescente de 17 anos, era prender Marcos Antônio, Renata Juliene e Gabriela na chácara.

Gideon, que morava no terreno, autorizou a entrada de Carlomam e do adolescente, para simular um roubo. Horácio Carlos estava no local e fingiu ser vítima. No entanto, Marcos Antônio teria reagido ao suposto assalto e foi baleado na nunca por Carlomam.

Os suspeitos são formados por Gideon Batista de Menezes, Horácio Carlos Ferreira Barbosa, Fabrício Silva Canhedo e Carlomam dos Santos Nogueira. O intuito era matar a família e ficar com a chácara.

Vítimas

Elizamar Silva, de 39 anos: cabeleireira;

Ana Beatriz Marques de Oliveira, de 19 anos: filha de Cláudia e Marcos Antônio;

Cláudia Regina Marques de Oliveira, de 54 anos: ex-mulher de Marcos Antônio;

Gabriel da Silva, de 7 anos: filho de Elizamar e Thiago;

Gabriela Belchior, de 25 anos: irmã de Thiago e cunhada de Elizamar;

Marcos Antônio Lopes de Oliveira, de 54 anos: pai de Thiago e sogro de Elizamar;

Thiago Gabriel Belchior, de 30 anos: marido de Elizamar Silva;

Rafael da Silva, de 6 anos: filho de Elizamar e Thiago;

Rafaela da Silva, de 6 anos: filha de Elizamar e Thiago;

Renata Juliene Belchior, de 52 anos: mãe de Thiago e sogra de Elizamar.

Punição

O plano durou 18 dias. Para Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), os suspeitos da chacina formam uma associação criminosa armada.

Os presos responderão por vários crimes e as penas somadas podem chegar a 340 anos para cada um do grupo. Porém, o tempo máximo de permanência na cadeia não pode passar de 40 anos no país.

Eles devem ser indiciados por latrocínio, corrupção de menores, extorsão mediante sequestro, homicídio qualificado por motivo fútil e torpe, bem como ocultação e destruição de cadáver.