Polícia desbloqueia rodovia e fazenda ocupadas por manifestantes

Integrantes da Frente Nacional de Luta Campo e Cidade interromperam tráfico na GO-118 com pneus e madeira retendo a passagem de veículos

Foto: Polícia Militar

Manifestação durou cerca de seis horas | Foto: Polícia Militar

Policiais da 14ª Companhia Independente da Polícia Militar, em parceria com homens da Polícia Militar Rodoviária, desbloquearam, na manhã deste sábado (21/5), a rodovia GO-118, na altura do Km 86, próximo a Água Fria. A GO-118 havia sido ocupada, desde a madrugada, por cerca de 250 integrantes da Frente Nacional de Luta Campo e Cidade.

Os militantes invadiram por volta das 5h uma propriedade particular nas proximidades da rodovia e colocaram pneus e madeira na pista, ateando fogo para impedir o tráfego no local. Antes da chegada dos policiais, os integrantes do movimento FNLCC também estacionaram veículos em uma plantação de soja na Fazenda Janguito, propriedade que já foi por diversas vezes alvo de invasões por membros de movimentos de sem-terra. De acordo com a Polícia, não houve confrontos com os manifestantes.

Por determinação do comandante geral da Polícia Militar, coronel Divino Alves, as equipes policiais foram enviadas para restabelecer o tráfego na rodovia e para desocupar a fazenda. Com o apoio da comunidade e de motoristas que aguardavam a liberação da via, os policiais apagaram as chamas e restabeleceram o tráfico de veículos. No total, a operação de desbloqueio e desocupação da fazenda invadida envolveu 54 policiais militares.

A operação foi comandada pelo major Carlos Eduardo Belelli, da 14ª Companhia Independente da Polícia Militar. Na ação, policiais entraram no meio dos manifestantes e retiraram parte dos pneus que estavam bloqueando a pista. Com um caminhão-pipa fornecido pela comunidade, eles conseguiram apagar o fogo no asfalto e fazer a limpeza da via, restabelecendo imediatamente o fluxo de veículos no local.

Cerca de 250 militares da FNL, liderada por Hugo Daniel Zaidan, que tem várias passagens pela polícia por crimes como porte ilegal de armas, esbulho possessório, ameaça, extorsão e receptação, estavam no interior da fazenda Janguito quando os policiais chegaram. Antes do meio dia, a propriedade particular estava totalmente desocupada. A Frente Nacional de Luta Campo e Cidade é uma extensão do Movimento Sem Terra (MST).

“Goiás não será palco de tumulto e baderna”

“O que se percebe, nessas investidas, é que esses grupos não apresentam uma pauta definida de reivindicações, querem apenas de forma irresponsável tumultuar, provocar baderna e colocar em risco a segurança da população, ferindo o direito constitucional das pessoas de ir e vir livremente com segurança”, afirma o vice-governador e secretário de Segurança Pública e Administração Penitenciária, José Eliton.

Segundo ele, Goiás não será palco de situações como esta. “Não deixaremos que a segurança e a ordem, seja na cidade, seja no campo, nas nossas rodovias, sejam ameaçadas; todos terão seus direitos e liberdades garantidas pelo poder público”, acentua.

José Eliton aproveitou para defender, mais uma vez, a atuação da Polícia durante manifestação na Praça Cívica, na tarde da última quinta-feira (19), quando três policiais ficaram feridos. “Enquanto milhões de brasileiros trabalham e se esforçam para superar o cenário de crise nacional, pessoas irresponsáveis querem fazer baderna e tumultuar, e contra isso as forças policiais estão preparadas para defender o direito e a integridade dos cidadãos, o patrimônio público e privado”, afirma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.