“PMDB não é partido de aluguel. Jamais será”, avisa Dona Íris

Primeira-dama de Goiânia reiterou recado, mas desconversou quando questionada se era endereçado ao senador Ronaldo Caiado

Ex-deputada Dona Íris durante coletiva de imprensa | Foto: Alexandre Parrode

A primeira-dama de Goiânia, Dona Íris, voltou a dizer, durante entrevista na manhã desta segunda-feria (26/6), que o PMDB não é “partido de aluguel”. A declaração foi dada após ter sido questionada pelo Jornal Opção se tal expressão seria um recado ao senador Ronaldo Caiado, do DEM, pré-candidato ao governo de Goiás em 2018.

“Há intenção de Ronaldo Caiado de alugar o PMDB? [risos] Eu disse o que eu tinha que dizer. PMDB não é partido de aluguel, jamais será, não estaria nem aqui se fosse. ‘Tô’ fora”, garantiu.

Ao lado do marido, o prefeito Iris Rezende (PMDB), a ex-deputada participou de reunião da executiva com as bancadas estadual e federal, comandada pelo presidente Daniel Vilela, que contou com a presença de lideranças de todo o estado.

Segundo ela, o PMDB deve sim buscar aproximação com outros partidos da oposição, mas que isso não passaria por um “empréstimo”. “É uma questão natural. Agora, como vai ser feito [o processo de construção de alianças], eu não tenho como exercer a futurologia, não aprendi ainda não, às vezes um pouquinho a gente consegue. O que eu sei é que partido não vai ser de aluguel. É uma instituição forte, tem uma capilaridade imensa em Goiás e no país, agora de repente tá precisando de dar um impulso” reiterou.

Questionada sobre o papel do PMDB no processo eleitoral de 2018, a primeira-dama insistiu em uma candidatura própria: “Sempre defendi, não mudei meu pensamento até agora. Acho difícil mudar, acho que PMDB é muito forte, defendo e sempre vou defendê-lo.”

Vozes roucas

Dona Íris, Iris Rezende, Daniel Vilela e Maguito Vilela durante evento | Foto: divulgação

Assim como o marido, Dona Íris afirmou que, a despeito do que indica a maioria do partido, o deputado federal Daniel Vilela não é — pelo menos ainda — o nome do PMDB para o governo em 2018. “Não posso dizer que o PMDB vai lançar Daniel Vilela a governador. Sei que existe da parte dele um desejo de ser o candidato, o que é natural. Mas defendo que temos que primeiro restabelecer a unidade partidária, envolvimento, para depois discutir candidatura. Temos tempo hábil para fazer esse trabalho e depois disso pensar qual o nome”, opinou.

O casal Iris e os prefeitos Adib Elias (Catalão) e Ernesto Roller (Formosa) foram os únicos que relativizaram o nome de Daniel como pré-candidato do PMDB ao governo de Goiás em 2018. Nos bastidores, a informação é de que iristas preferem apoiar o senador do DEM, Ronaldo Caiado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.