PF cobra esclarecimentos de Romeu Tuma Junior sobre livro “Assassinato de Reputações”

Ex-investigador do Dops se recusou a ir à Superintendência da Polícia Federal. Coautor da obra, ele conta que Marconi Perillo era alvo de dossiês falsos de Lula

Em fevereiro, delegado disse que Marconi Perillo foi alvo de “campanha sórdida” de Lula | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Em fevereiro, delegado disse que Marconi Perillo foi alvo de “campanha sórdida” de Lula | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Agentes da Polícia Federal estiveram no escritório ex-secretário Nacional de Justiça Romeu Tuma Junior na manhã da última terça-feira (5/8), no Bairro do Bom Retiro em São Paulo. O objetivo era o de conduzi-lo coercitivamente à Superintendência da Polícia Federal para prestar esclarecimentos sobre o livro “Assassinato de Reputações — Um Crime de Estado”, do qual é coautor.

Na obra, ele ataca o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e aponta uma suposta fábrica de dossiês falsos contra alguns políticos, incluindo o nome do governador Marconi Perillo (PSDB). O livro, que tem texto final do jornalista Claudio Julio Tgnolii, relata que um dos objetivos do petista era o de tirar o tucano da vida política. Isso pelo fato do goiano, na época senador da República, ter avisado o ex-metalúrgico sobre o mensalão.

Segundo a revista “Veja”, o ex-investigador do Departamento de Ordem Política e Social (Dops) se recusou a acompanhar os policiais, alegando que a condução era ilegal. Já no período da tarde, Tuma Junior foi à PF, onde ficou por cerca de 40 minutos, mas sem responder nenhuma pergunta.

Governador de Goiás era um dos supostos alvos dos dossiês falsos. Relato foi publicado em "Assassinato de Reputações" | Foto: Reprodução

Governador de Goiás era um dos supostos alvos dos dossiês falsos. Relato foi publicado em “Assassinato de Reputações” | Foto: Reprodução

Houve muita discussão e bate-boca no momento em que os federais chegaram. Tuma Junior recebeu intimações prévias, mas não foi aos depoimentos. Para o ex-secretário, um dos policiais estaria cumprindo “ordens de Brasília”. Ele ainda alegou que havia dado informações sobre o conteúdo do livro em procedimento aberto pela Delegacia Fazendária em 2013. Não há nenhum inquérito contra o advogado.

“Assassinato de Reputações” narra os bastidores do que ele viu, ouviu e, principalmente, acompanhou de perto quando esteve na Secretaria Nacional de Justiça do governo Lula. O livro foi lançado em dezembro do ano passado em todo o país. Tuma Junior esteve em Goiânia em fevereiro deste ano para noite de autógrafos, promovida pelo PSDB goiano.

Em entrevista ao Jornal Opção Online na época, o delegado disse que Marconi Perillo foi alvo de “campanha sórdida” e que Lula queria destruir sua reputação política.

Leia mais:
Marconi critica suposta fábrica de dossiês do governo Lula e divisão da oposição em Goiás
Credibilidade do livro de Romeu Tuma Junior é colocada em xeque pelo próprio irmão
“Dele posso esperar tudo”, diz Marconi Perillo sobre esquema de dossiê do governo Lula
Casa de Tuma Junior é alvejada por tiros após convite de deputados 
Tuma Junior desmente Veja e diz que não faturou 700 mil reais com vendagem de livro

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Edson Roberto B. Santos

Para uma maior abrangência do conteúdo deste livro seria melhor virar domínio público, para que os cidadãos deste pais possa ter acesso.