“Pessoas estão morrendo por falta de gestão da Prefeitura de Goiânia”, afirma promotor

Integrante do MP de Aparecida de Goiânia Érico de Pina Cabral, afirma que ações da gestão Iris na Saúde “chega a ser criminosa”

Promotor de justiça Érico de Pina Cabral | Foto: Divulgação / MPGO

Mais uma autoridade em saúde em Goiás condenou, nesta terça-feira (24/4), o caos na saúde municipal de Goiânia, comandada por Iris Rezende (MDB), que aumenta as filas nos postos da capital, sobrecarrega as unidades hospitalares do Governo do Estado e faz crescer a relação de vidas perdidas.

O promotor Érico de Pina Cabral, do Ministério Público em Aparecida de Goiânia e ex-titular do Centro de Apoio Operacional da Saúde, afirmou hoje que “Goiânia organiza a saúde às custas das vidas das pessoas pobres, carentes e doentes” e que “o que a Secretaria de Saúde de Goiânia está fazendo chega a ser criminoso, porque as pessoas estão morrendo por falta de gestão, por falta de sensibilidade de quem administra os recursos e trata as pessoas”.

As declarações foram feitas durante entrevista do promotor à Rádio Bons Ventos, reproduzida pelo portal de notícias Diário de Goiás (DG).

Sobre o novo software de regulação de exames implementado pela Secretaria de Saúde de Goiânia, o integrante do MP disse que o sistema é falho e defendeu que o governo do Estado passe a gerir o serviço. “Para se ter uma ideia, o CRER, que é um hospital de referência, pela primeira vez, não bateu a meta de exame, porque o software designa um exame para a rede pública, um para a filantrópica e um para a privada, uma distribuição igual. Com isso, o tomógrafo fica parado porque ele não recebe exames que tem capacidade para fazer e a população na fila esperando por isso. Aqui em Goiânia têm algumas distorções que são inadmissíveis em uma situação de caos que vive a saúde”, disse.

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.