Pedido de afastamento de Andrey Azeredo causa polêmica na Câmara

Vereadores acusam presidente de agir contra Casa por ter supostamente determinado procuradora a não comparecer em audiência. Ele nega

Vereador Elias Vaz, autor do pedido de afastamento | Foto: Fernando Leite

A primeira sessão na volta do recesso parlamentar foi marcada por troca de acusações mútuas entre o presidente da Câmara Municipal de Goiânia, Andrey Azeredo (MDB), e vereadores da oposição.

Nesta quinta-feira (1º/2), um grupo capitaneado por Elias Vaz (PSB) e Jorge Kajuru (PRP) protocolou um pedido de afastamento do chefe do Legislativo por ter supostamente agido contra o poder em um processo envolvendo a Prefeitura de Goiânia.

Afilhado político do casal Iris Rezende e Iris de Araújo (ambos do MDB), Andrey Azeredo teria, segundo a denúncia, determinado que a Procuradoria da Câmara não comparecesse em uma audiência na semana passada, na qual foi mantida uma liminar que suspende os efeitos de uma lei aprovada pela Câmara que impede a prefeitura de cobrar o chamado IPTU Contínuo.

“O presidente tomou a decisão clara de favorecer o Paço Municipal. Ao não ter a defesa da Câmara, só teve um lado que se manifestou, a prefeitura. Pelo regimento, presidente tem obrigação de defender Casa, de encaminhar questões como essa da procuradoria. Ao não fazer, ele pode ser afastado”, argumentou Vaz.

Segundo ele, uma comissão processante deverá ser instalada, composta por três vereadores sorteados aleatoriamente, que tomará a decisão de arquivar ou abrir um processo de resolução pedindo o afastamento para o plenário votar.

Discurso

Andrey Azeredo: ataque a outros vereadores | Foto: Fernando Leite

Da tribuna, o presidente da Câmara, Andrey Azeredo, disparou contra os vereadores que pedem seu afastamento, os quais acusou de usar a Câmara como “palanque eleitoreiro”, pois estes “disputam eleição constantemente”.

Segundo o emedebista, a lei aprovada pela Câmara foi promulgada dentro da lei e a Procuradoria sequer foi citada para apresentar defesa na ação direta de inconstitucionalidade (ADI) movida pela gestão Iris.

Com um levantamento em mãos, destacou que, em 2017, durante seu primeiro ano de gestão na Casa, todas as 25 ADIs propostas foram defendidas pelos procuradores legislativos. O mesmo não teria acontecido em anos anteriores, quando várias correram à revelia.

“Um dos autores do meu pedido de afastamento é vereador há mais de 16 anos, o que ele fez durante todos esses anos, se omitiu do seu papel de zelar pelo interesse da sociedade. O fez por que não tinha matéria eleitoreira. Por que não dá like em redes sociais, não é matéria em capa de jornal, por que de dois em dois anos disputa eleição”, disse, atacando Elias Vaz.

Por fim, voltou a dizer que a defesa que os vereadores fazem contra o aumento do IPTU em Goiânia tem “interesse eleitoral”: “Não queiram fazer desta Casa escadinha ou tamborete.”

Além disso, o pedido de afastamento não teria validade por que Andrey Azeredo pediu licença temporária do cargo durante o recesso parlamentar. “Não há erro meu, nem da procuradoria, muito menos do vice [Vinícius Cirqueira]”, completou.

Tréplica

Após o pronunciamento, o vereador Jorge Kajuru (PRP) ironizou uma suposta “pequenez política” do presidente da Câmara Municipal, que, segundo ele, se torcesse o tornozelo na Avenida Goiás demoraria 50 anos para ser reconhecido.

“Politicamente, discutir é muito melhor com um tubarão, como Marconi Perillo, Iris Rezende, e não com um lambari político, como é o caso de quem usou a palavra. Eu sou nome nacional, não preciso da carona de ninguém para merecer o voto da população goiana, principalmente de lambari político”, alfinetou.

 

1 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

ziro

PEDIDO À CÂMARA DE VEREADORES DE GOIÂNIA. Venho informar que o TJGO, com sede em frente ao bosque dos Buritis, está iniciando uma grande obra, ao custo de R$40 milhões, para estacionamento de veículos dos desembargadores. Ocorre que este dinheiro público não pode ser gasto com mordomias, num período onde a população sofre com desemprego e falta de serviços público de qualidade na saúde, creches, educação escolar, inclusive até falta vagas nos presídios para onde são encaminhados os condenados do Tribunal. Por isto, peço a essa casa, que também entre em contato com o Tribunal de Justiça de Goiás, com… Leia mais

Luelton

Cada dia que passa, parece estar findando o estoque de óleo de peroba no país. Quem domina o povo só sabe viver e agir para o próprio umbigo. Façam-me o favor, senhores desembargadores; do soldo parco que recebem, paguem o estacionamento. Façam um contrato mensal com alguma garagem próxima, e deixem de usurpar o que é do povo. Pode não ser ilegal, mas não convém. É imoral.