Pastor assassino diz que cometeu crime por que vítima tentou “reatar” relacionamento

Assassino confesso, Alexandre Souza e Silva contou à imprensa que apenas revidou golpe da também pastora Ailsa Regina Gonzaga

A Polícia Civil de Goiás apresentou na manhã desta terça-feira (29/12) o pastor Alexandre Souza e Silva, de 47 anos, assassino confesso da também pastora Ailsa Regina Gonzaga, de 40 anos.

Durante apresentação à imprensa, o líder religioso disse que cometeu o crime por que era perseguido pela pastora, que teria tentado “reatar” um antigo relacionamento entre eles. Ainda de acordo com Alexandre, ele teria apenas reagido, já que a mulher teria tentado matá-lo antes.

“Falei que não gostava mais dela, e ela tentou me golpear”, declarou. A polícia não acredita na versão e sustenta que o crime foi premeditado.

O pastor foi preso na última quinta-feira (28/12), em Brasília, e apontou para a polícia o local onde teria enterrado o corpo de Ailsa, numa mata no município de Aragoiânia. A pastora estava desaparecida desde o último dia 8 de novembro.

Segundo o delegado responsável pela investigação, Valdemir Pereira “Branco”, da Delegacia de Investigações Criminais (Deic), Alexandre é foragido da justiça e responde por crime de latrocínio ocorrido no ano de 2002, em Itumbiara. Além disso o homem ainda é suspeito de outros crimes, que ainda serão apurados.

De acordo com informações repassadas pelo próprio autor, Ailsa foi morta a facadas no mesmo dia em que desapareceu.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.