Para o senador Major Olímpio, Bolsonaro é vítima do filho que pretende tomar o PSL

Senador mais bem votado de São Paulo afirma que o deputado federal Eduardo Bolsonaro quer ficar com as verbas do fundo partidário e eleitoral

O senador foi o mais bem votado em São Paulo| Foto: Reprodução

O senador Major Olímpio (PSL-SP), amigo pessoal do presidente Jair Bolsonaro (PSL), atacou o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) em entrevista ao Portal Uol no sábado, 12, em São Paulo, que, segundo o senador, quer tomar o comando nacional do PSL para ficar com as verbas do fundo partidário e eleitoral, que somam R$ 268 milhões. Para isso, o filho do presidente estaria “minando” o comando do partido em São Paulo e o Diretório Nacional.

“Queriam era implodir o PSL, destituir o [Luciano] Bivar em projeto de poder particular, não do presidente, porque eu digo que o presidente foi vítima também”, afirmou o senador em entrevista ao Portal Uol. O filho do presidente quer “justamente a administração nacional do PSL. E aí você envolve tempo de televisão, fundo partidário e fundo de financiamento de campanha”, disse Olímpio.

A crise no partido iniciada na semana passada compromete a permanência de Bolsonaro no quadro de filiados. O próprio presidente chegou a sugerir a um militante para “esquecer o PSL”, num evento em Brasília (DF).

Se Bolsonaro fica ou não no partido, o senador não opinou, mas prefere continuar na legenda, mesmo que o presidente se desfilie.

Em determinado momento da entrevista, o senador afirma que não será “subserviente à molecagem de ninguém” e que só votará em Eduardo para a embaixada brasileira nos Estados Unidos por recomendação do presidente. “O risco é dele [Bolsonaro]”, a mesma avaliação que faz sobre a permanência de Marcelo Álvaro Antônio no Ministério do Turismo, mesmo sob suspeita de envolvimento no esquema de laranjas do PSL.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.