Operação da PRF flagra diversas irregularidades em ônibus que fazem o trajeto Goiânia – Anápolis

Muito deles funcionavam sem equipamentos obrigatórios — como cintos de segurança e indicativo da alavanca para abertura das janelas em caso de emergência — e eram conduzidos por motoristas sem curso específico

gyn ana

Uma ação da Polícia Rodoviária Federal (PRF) terminou com a autuação de uma empresa após serem flagradas irregularidades em 39 ônibus de sua frota. Os veículos faziam o trajeto entre Goiânia e Anápolis, mas muito deles funcionavam sem equipamentos obrigatórios — como cintos de segurança e indicativo da alavanca para abertura das janelas em caso de emergência –, disco do tacógrafo não preenchidos corretamente, alteração na quantidade de assentos permitidos para o veículo e excesso de lotação. Alguns eram conduzidos por motoristas que não tinham o curso específico para esse tipo de transporte.

A PRF ressalta que a viagem entre a capital e Anápolis deve ser realizada com os passageiros sentados, já que os veículos que realizam esse transporte não são ônibus coletivos da região metropolitana de Goiânia. A regra, entretanto, raramente é respeitada pelas empresas autorizadas a executar o serviço.

Tentando fugir da fiscalização, a empresa ordenou aos motoristas dos ônibus em circulação que desviassem das rotas originais para fugir da fiscalização. Assim, os veículos foram em direção a outros municípios goianos, evitando a BR-060.

A medida causou transtornos para os passageiros, já que as viagens foram atrasadas em mais de uma hora. Irritados com a situação, eles entraram em contato com a Central de Informações da PRF – 191, e denunciaram a situação. Após realizar um cerco, os veículos foram flagradas no trevo de Goianápolis, com grande excesso de lotação, já que acreditavam estar longe do alcance da polícia.

Os passageiros em excesso foram transferidos para outros veículos e alguns ônibus seguiram até a rodoviária de Anápolis escoltados pela polícia.

Deixe um comentário