Novo afastamento de Eduardo Machado tem apoio de 26 diretórios estaduais do PHS

Direção Nacional alega crime de acúmulo de salário e perda de sustentação política interna

Eduardo Machado: presidente do PHS

Dirigentes estaduais, parlamentares e demais membros da Executiva Nacional do Partido Humanista da Solidariedade (PHS) de 26 Estados defendem a decisão do Conselho Gestor Nacional que quer o afastamento de Eduardo Machado do comando da sigla, após denúncia protocolada pelo Conselho de Ética e pelo Conselho Fiscal.

De acordo com depoimentos de integrantes do partido e de funcionários, além de indícios de corrupção, Machado agia de maneira isolada, tirana e unilateral em suas decisões. “Trabalhei minha vida inteira com pessoas, inclusive como funcionário público dos Correios e nunca fui tão humilhado como nesses últimos cinco (5) anos de gestão do Eduardo”, declarou Francisco de Assis, gerente administrativo e financeiro do partido.

O líder da bancada na Câmara Federal, o deputado Diego Garcia externou a sua preocupação em relação à imagem e a reputação do PHS diante dos últimos fatos. Segundo ele, “o partido não pode ser maculado em razão de um fato isolado, cometido por um dirigente descompromissado com a ética e com a responsabilidade social”.

Entre outras alegações para novos motivos de afastamento expedidos pela Direção Nacional, está o crime de acúmulo de salário, uma vez que Machado recebeu proventos como secretário de Estado no Governo de Goiás (cerca de R$ 20mil), durante o mesmo período em que recebeu salário de dirigente nacional do PHS (aproximadamente R$ 35mil), sendo que esse último sempre era pago no início de cada mês, com recursos do Fundo Partidário, através de cheque nominal, assinado por ele próprio.

Em entrevista recente ao Jornal Opção, Eduardo Machado afirmou que segue na presidência do partido e disse que sofre “golpe” de outros membros Segundo ele, na última quarta-feira (31/5), o tesoureiro do partido, Murilo Alves de Oliveira, retirou documentos da sede justamente para que seja feita uma investigação a respeito do pedido de seu afastamento.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.