“Nossa maior missão é levar sinal digital a todo Estado”, diz diretor da Record TV Goiás

Marcos Silva, que assumiu a emissora em Goiás, garante que continuará investindo em conteúdo próprio e nos programas sociais

Marcos Silva: “Continuaremos investindo nos colaboradores” | Foto: Fávio Costa

Novo diretor da TV Record Goiás, Marcos Silva garantiu, durante entrevista ao Jornal Opção nesta semana, que o principal objetivo de sua gestão será levar para os 130 municípios atendidos pela emissora o sinal digital.

Natural de Belém do Pará, o executivo, que comandava a Record TV Interior RJ em Campos dos Goytacazes, contou ainda que irá manter e ampliar todos os projetos sociais desenvolvidos pela Record TV Goiás, sempre valorizando o conteúdo próprio.

Uma das mais modernas do País, a emissora goiana conta com mais de 230 colaboradores, lidera a audiência em vários períodos do dia e exibe mais de sete horas de jornalismo local.

Qual o principal objetivo de sua gestão à frente da Record TV Goiás?

Nosso objetivo principal é fazer um trabalho para expandir ainda mais a televisão no Estado, levar para cada pessoa a TV Record. Com qualidade de sinal, áudio e vídeo, fortalecendo nossa programação local para que possamos obter melhores índices de audiência, fortalecer nossos colaboradores para que possamos ter profissionais comprometidos com nossa causa e história.

A emissora tem a maior programação local do Estado. Como isso reflete na audiência?

Sete horas de jornalismo local. O fato de termos a maior quantidade de horas de programação local nos traz também um resultado positivo na audiência. Ideia é que possamos ter oportunidade de ampliar esse conteúdo, uma vez que as pessoas querem assistir aquilo que é seu, querem ter sua história contada, querem ouvir notícias de sua cidade, de sua região, bairro. Existem notícias de relevância nacional, mas já temos um espaço reservado para isso na programação, então o principal de fato é investir na programação local, é ter um conteúdo como disse de qualidade.

Não adianta ter conteúdo legal, bons apresentadores, e não fazer com que chegue com qualidade na casa das pessoas e é isso que queremos fazer. Trabalhar conjunto, agregando qualidade de transmissão, produção, profissional, de apresentadores e nesse conjunto ter os resultados positivos.

Quantos municípios são atendidos pela emissora?

A Record está presente em 130 municípios goianos. Há uma afiliada, TV Sucesso, de Jataí e o Entorno recebe a Record Brasília. Nosso foco é fazer com que esses municípios que recebem o sinal da Record Goiânia, nossa maior missão para este ano é fazer com que todos recebam sinal digital que é realidade na capital e em algumas cidades, mas a maioria não é. Foco principal é digitalizar sinais das 130 cidades, é árduo, de longo prazo. Meta de 2018 é levar para todos os municípios acima de 200 mil habitantes.

Como estão os índices de audiência?

Somos a terceira melhor da TV Record em todo o País e estamos consolidados como a segunda emissora do Estado de Goiás. Temos uma audiência muito qualificada, público fiel à nossa programação, o que é muito bom. Temos trabalhado investindo cada vez mais em nossa programação local, nos trazendo assim ótimos índices de audiência. Há nossas novelas, como Dez Mandamentos, que apesar de estar sendo reprisada dá ótimos índices, tem também a Apocalipse que deu uma virada no começo do ano, subindo 40% da audiência. Temos o Jornal da Record que já é consolidado e nossas programações locais, que nos trazem ótimos resultados.

Falando em novelas, esse é um nicho que a Record TV tem investido muito. O que vem por aí em 2018?

Estamos preparando para lançar a programação completa de 2018 em março, mas público pode esperar muitas novidades. Uma próxima novela muito boa, programas novos…

Um dos grandes sucessos da Record TV Goiás é o Balanço Geral nos Bairros, já foram mais de 80 edições, há ainda os passeios ciclísticos. Como ficarão neste ano?

Todos serão mantidos, pois são projetos que deram muito certo. No mês passado chegamos a 82 Balanço Geral nos Bairros, com mais de 1,5 milhão de atendimentos em diversas áreas, já temos a programação de todo o ano. Os passeios ciclísticos também, vamos continuar investindo no esporte.

Estamos com um projeto de retomar os jogos estudantis, a nosso ideia é retomar o projeto. Queremos realizar entre as escolas da cidade, assim como fiz na emissora que trabalhei no Rio de Janeiro, lá foram seis edições muito bem sucedida. Há outros projetos que mais para frente podemos falar melhor.

Sede da Record TV Goiás, inaugurada em 2014 | Foto: divulgação

O foco continuará sendo o telespectador?

Sim. É quem deve ser valorizado… As pessoas precisam se ver na televisão, enxergar a emissora não como um universo distante, mas sim popular. Não popularesca, mas acessível à sociedade. Queremos que as pessoas se apaixonem pela programação da Record. Que a tenham como uma auxiliar, uma ferramenta de desenvolvimento social.

A internet é um desafio para manter uma emissora forte?

Não. Dá para aliar as duas coisas. Temos projetos em andamento justamente para aproximar ainda mais as duas mídias. Conseguimos conversar bem, pois um conteúdo depende do outro. A televisão, como jornal impresso e a rádio, ainda tem um grau de credibilidade, confiabilidade, muito superior ao da internet. Então, dá sim para fazer essa ponte. O que é fato é que continuaremos nos reinventando.

2018 é um ano eleitoral. Como a Record TV Goiás tratará a disputa?

Como sempre, como já é de praxe, tratar com imparcialidade. Televisão é uma ferramenta importante para mostrar para sociedade, para auxiliar, na tomada de decisões. Mostraremos os fatos como são, sempre com equilíbrio. Vamos realizar debates eleitorais e pesquisas também. Não podemos nos eximir do processo democrático, a tevê é uma ferramenta muito importante nesse processo. Estaremos à disposição da população.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Rachan

Falando em tecnologia, uma das mais importantes industrias, a de jogos de computador está sendo ameaçada pelas mineradoras de criptomoedas. Inclusive, já existe uma guerra verbal nas redes sociais entre mineradores e gamer’s, que a partir deste mês, mundialmente, incomodou bastante os fabricantes de GPU’s, como nvídea e ati radeon, temendo num futuro próximo uma retração de seu bilionário mercado em decorrência da diminuição da venda de jogos para computadores devido o alto custo do hardware para consumidor final, que há 2 anos custava em torno de R$ 4 mil, que hoje beira os R$ 10 mil. A causa direta… Leia mais