Orloff Neves da Rocha foi citado em um áudio gravado pelo próprio padre Robson. Durante conversa com advogados, fala-se no pagamento de propina no valor de R$ 1,5 milhão

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou recurso de Agravo Regimental apresentado pelo advogado do desembargador Orloff Neves da Rocha, suspeito de favorecer decisões ao padre Robson de Oliveira. A defesa sustentou ilegalidade das provas do Ministério Público de Goiás (MP-GO).

Orloff Neves da Rocha foi citado em um áudio gravado pelo próprio padre Robson. Durante conversa com advogados, fala-se no pagamento de propina no valor de R$ 1,5 milhão. O desembargador está aposentado e continua respondendo ao processo. O advogado dele, Luiz Alexandre Rassi, sustenta, no processo, que o ministro determinou diligências acerca das provas apresentadas nos autos, mesmo com o processo trancado pela justiça.

Os áudios e toda investigação estão no Supremo Tribunal de Justiça (STJ). Padre Robson de Oliveira começou a ser investigado ainda quando era reitor do Santuário Basílica do Divino Pai Eterno, em Trindade. Segundo a denúncia, ele teria criado associações para desviar mais de R$ 100 milhões em doações de fiéis para comprar fazendas, casa na praia e até avião.