“Não me lembro de uma legislatura tão ausente quanto essa”, critica deputado

Humberto Aidar, do MDB, que foi um dos únicos parlamentares que não faltou a nenhuma sessão desde que a campanha eleitoral começou, criticou colegas faltosos

Humberto Aidar | Foto: Y. Maeda

Após mais de um mês de início das campanhas eleitorais o Jornal Opção averiguou a movimentação de parlamentares na Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) e percebeu que a ausência de políticos no local aumentou. A reportagem, que esteve presente na Casa durante a semana, falou com o deputado Humberto Aidar (MDB), um dos únicos que não faltaram nenhuma vez durante este período, sobre como ele analisa a situação.

“Eu sou um deputado de cinco mandatos e posso contar as vezes que faltei, que foram por motivos de saúde. Eu penso que só vamos resolver essa questão o dia que cortar pontos dos deputados que faltarem, pois pra mim parlamentar que não vem ao trabalho e recebe o salário, é algo indevido, é crime e grave”, declarou Humberto.

O parlamentar também garantiu que sabe que o trabalho não é só na Assembleia, mas que é principalmente lá, e que não deveriam haver tantas faltas como há. “A função primordial do deputado é participar das comissões, apresentar e votar projeto, fiscalizar governo, ouvir a sociedade, mas se não estiverem dispostos, estão na profissão errada”, completou.

O emedebista declarou, ainda, que considera esta a pior legislação desde que cumpre mandato. “Não me lembro de uma legislatura tão ausente”, disse ele.

“Se formos comparar, analisar e contar as sessões que foram abertas desde os últimos anos, veremos como as faltas aumentaram”, garantiu ele, reforçando que o trabalho do parlamentar é de terça a quinta-feira, cerca de três horas de por dia.

“Por isso as pessoas, que trabalham oito ou mais horas por dia, reprovam os políticos e acabam colocando todos na vala comum, porque acham que todos são assim”, reclamou Humberto.

À reportagem, o deputado também respondeu que acredita ser possível fazer campanha e não deixar de estar presente nas sessões. “Eu fiz isso sempre, e o deputado que acha que não consegue fazer campanha e trabalhar na Casa deveria tirar licença não remunerada, pois seria demitido por justa causa se fosse um trabalhador comum. Não dá para concordar com isso”, concluiu o emedebista.

Além de Humberto, Bruno Peixoto (MDB), Álvaro Guimarães (DEM), Delegada Adriana Accorsi (PT), Helio de Sousa (PSDB), Wagner Siqueira (MDB), Talles Barreto (PSDB), Simeyzon Oliveria (PSD) e Major Araújo (PRP) integram a lista de deputados que não faltaram nas últimas sessões da Alego, mesmo com o período eleitoral.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.