Na Câmara, nova CEI vai investigar situação de obras paradas em Goiânia

Proposta do vereador Alysson Lima (PRB) recebeu apoio da maioria dos parlamentares e CEI deve começar apurações ainda este ano

Alysson Lima (PRB) autor da proposta para instauração da CEI para investigar obras paradas | Foto: Fernando Leite Jornal Opção

O vereador Alyson Lima (PRB) apresentou nesta terça-feira (28/11) proposta para a instauração de uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) para investigar a situação das obras públicas paradas na capital.

Segundo o vereador, a intenção é passar a limpo o andamento de todas as obras públicas, já que é grande a quantidade de obras inacabadas, com prazo extrapolados e sem previsão de entrega.

O autor do projeto contabiliza pelo menos 40 obras paradas em Goiânia, o que segundo ele representa um prejuízo no valor de R$ 40 milhões, sem contar o BRT.

“O BRT por exemplo tem um inflacionamento de 1 milhão por mês, a obra estando parada ou não. Nós temos postos de saúde que começaram com orçamento de 800 mil e quando ficarem prontos custarão mais de 3 milhões. Três vezes mais que o valor inicial, isso é muito grave”, denuncia.

Alysson destaca que na maioria das vezes o argumento do paço para as obras paradas é a falta de recursos. Argumento que, segundo ele, é desmentido pela Caixa Econômica Federal que alega irregularidades nas obras.

“Nós vamos acionar os órgãos competentes para nos ajudar. O Tribunal de Contas do Município, da União, A própria Caixa deve trazer alguém, via convocação, para explicar toda a situação de verbas federais”, pontua.

Para a abertura da CEI, o parlamentar recolheu hoje a assinatura de 21 vereadores. A expectativa é de que as apurações comecem ainda neste ano.

“Eram necessárias 12 assinaturas e hoje já conseguimos mais do que o necessário. Em cerca de 15 dias a CEI deve dar início aos trabalhos e pretendo já fazer algumas visitas ainda em 2017”, afirma Alysson Lima.

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.