Municípios goianos menores devem iniciar vacinação in loco com menos de 30 doses da Coronavac

Segundo a Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO) para esta primeira etapa, as vacinas serão aplicadas in loco pelos municípios e a quantidade de doses foi destinado de acordo com o público prioritário

Em Goiás, a vacinação começou em Anápolis| Foto: Reprodução.

Dos 246 municípios goianos, 160 vão receber menos de 100 doses da Coronavac nesta primeira remessa que faz parte da campanha de vacinação contra a Covid-19 no  Brasil. Entre eles estão as três menores cidades, segundo classificação por número populacional:  Anhanguera, Cachoeira de Goiás e São João da Paraúna. Em Goiás, a vacinação começou nesta segunda-feira, 18, em Anápolis  e as demais cidades goianas deve iniciar a vacinação nesta quarta-feira, 20.

Levando em consideração a aplicação da vacina nos menores municípios goianos, a Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO) explicou que,  para esta primeira etapa, as vacinas serão aplicadas in loco pelos municípios, nas instituições de longa permanência em que vivem os idosos e as pessoas com deficiência, os profissionais de saúde que atuam no enfretamento da doença,  e indígenas que vivam em aldeias.  

De acordo com a SES-GO, para os três menores municípios de Goiás foi destinado o seguinte número de doses, de acordo com o público prioritário: Anhanguera (Regional Estrada de Ferro), 20 doses; Cachoeira de Goiás (Regional Oeste II), 25 doses; e São João da Paraúna (Regional Oeste II), 30 doses. Esses números correspondem a primeira dose da vacina para cada cidade e posteriormente serão encaminhadas o quantitativo para a segunda dose.

Continuidade

Ainda segundo a pasta, o Governo de Goiás realizou a compra de 2,5 milhões kits de seringas e agulhas que, somadas ao estoque de mais 1,3 milhão de kits, é suficiente para vacinar cerca da metade da população goiana.

Uma preocupação que assola as autoridades é a continuidade da imunização, diante da incerteza de quando haverá nova remessa de doses, já que existe a dependência de matéria-prima que vem da China, para fabricação da vacina no Butantan. O governador Ronaldo Caiado (DEM) alertou que apenas metade das mais de 87 mil doses disponibilizadas para Goiás serão aplicadas de forma a assegurar que os vacinados tenham acesso à segunda dose que deve ser aplicado 28 dias após a primeira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.