MP pede prorrogação de prisão temporária de 17 presos na Operação SOS Samu

Presos são investigados por esquema de corrupção envolvendo o encaminhamento irregular de pacientes para UTIs particulares em Goiânia

O Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) protocolou nesta sexta-feira (24/6), no Fórum de Goiânia, o pedido de prorrogação da prisão temporária dos 17 investigados que continuam presos pela operação SOS Samu.

Na última terça-feira (21/6), quando foi deflagrada a operação, o MP expediu mandado de prisão temporária de cinco dias para 24 investigados. O prazo da primeira prisão temporária vence neste sábado (25/6). Duas pessoas ainda não se apresentaram e continuam foragidas.

A operação apurou um esquema criminoso envolvendo empresários de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) e funcionários do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de Goiânia, com o pagamento de propinas para que esses servidores encaminhassem pacientes que tivessem planos de saúde a determinadas UTIs, fraudando a regulação dos leitos.

Ainda na terça-feira (21/6), o Jornal Opção publicou com exclusividade os nomes dos investigados que tiveram mandados de prisão expedidos. (Com Assessoria de Comunicação Social do MP-GO)

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.