MP investiga possível fraude em contratos para construção de escolas estaduais em Rio Verde

Licitações envolvendo empresas de construção civil foram feitas entre 2017 e 2018

O Ministério Público de Goiás (MP-GO) abriu um inquérito civil público para apurar possíveis fraudes em procedimentos de contratação de empresas de construção civil para obras em escolas de Rio Verde vinculadas à rede estadual de ensino._Jornal Opção
Foto: Reprodução

O Ministério Público de Goiás (MP-GO) abriu um inquérito civil público para apurar possíveis fraudes em procedimentos de contratação de empresas de construção civil para obras em escolas de Rio Verde vinculadas à rede estadual de ensino.

A promotora de Justiça responsável pelo caso, Renata Dantas, já requisitou da Secretaria Estadual de Educação (Seduc), cópia dos procedimentos relativos às contratações realizadas e documentos que acompanharam a execução dos contratos firmados.

Também deverá ser informado quem era o subsecretário regional de Rio Verde entre 2017 e 2018, quando foram feitas as licitações e ainda quem eram os gestores e os membros das escolas envolvidas, num total de cinco unidades de ensino.

Informações sobre outras investigações que recaiam sobre as empresas contratadas pelo município também estão sendo coletadas para instruir o procedimento.

A reportagem entrou em contato com a Seduc, que disse que já entregou todos os documentos requisitados ao Ministério Público. Leia a nota:


A Secretaria de Estado da Educação de Goiás (Seduc), a respeito de inquérito aberto pelo Ministério Público (MP-GO) acerca de procedimentos de contratação de empresas de construção civil para obras em escolas de Rio Verde entre 2017 e 2018, informa que o Estado de Goiás, por meio da Seduc, já forneceu a documentação requisitada pelo MP-GO e tem todo o interesse em apurar responsabilidades e os desvios caso sejam comprovados.

Uma resposta para “MP investiga possível fraude em contratos para construção de escolas estaduais em Rio Verde”

  1. Chegamos a um ponto que até a educação está sendo prejudicada pela corrupção, triste!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.