Movimento Brasil Livre vai pedir impeachment de Ricardo Lewandowski

Grupo não aceitou fatiamento da votação que tirou o mandato de Dilma Rousseff (PT) e acusa ministro do Supremo Tribunal Federal de desrespeitar a Constituição

Presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski suspendeu a votação do relatório de Fachin - Foto: Carlos Humberto/SCO/STF (28/05/2015)

Lewandowski é o segundo ministro do STF a virar alvo do MBL | Foto: Carlos Humberto/SCO/STF (28/05/2015)

Insatisfeitos com a divisão do julgamento de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), o Movimento Brasil Livre (MBL) resolveu protocolar um processo contra o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski. Organizadores das manifestações que pediam a saída de Dilma, eles alegaram que o ministro violou a Constituição.

Por decisão de Lewandowski, Dilma foi julgada em dois turnos. Primeiro, os senadores avaliaram se ela perderia ou não seu mandato e, depois, de poderia manter seus direitos políticos. A petista perdeu na primeira, mas conseguiu sair vitoriosa da segunda votação. O fatiamento teria sido articulado pelo PT, pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e pelo presidente do STF.

Depois de verem um pedido semelhante ser descartado por Renan, a quem cabe analisar os processos, os militantes do grupo resolveram exigir também que o peemedebista se declare impedido de analisar a questão. Esta outra solicitação envolvia o também ministro do STF, Marco Aurélio de Mello.

Na ocasião, o MBL o acusou de desrespeitar as prerrogativas dos três poderes ao anular arquivamento de um processo contra Michel Temer (PMDB), determinado pelo deputado federal e então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). No entendimento do grupo, ele incorreu em crime de responsabilidade.

Além de solicitar que Renan se declare impedido, o grupo estendeu a condição ao 1º secretário da mesa, senador Jorge Viana (PT-AC). Quem vai levar o pedido ao Senado é Fernando Holiday (DEM), membro do MBL que saiu candidato a vereador em São Paulo.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.