Moraes retira delegado de caso que investigava ações de Jair Bolsonaro na PF do Rio de Janeiro

O delegado da Polícia Federal, Felipe Leal, investigava se o presidente violou a autonomia da corporação da PF do Rio de Janeiro para ajudar filhos a se livrarem de acusações

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), afastou o delegado da Polícia Federal, Felipe Leal, que investigava se o presidente Bolsonaro teria tentado interferir politicamente na corporação do comando da PF e da superintendência do Rio de Janeiro. O inquérito começou quando o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, denunciou no ano passado que o presidente estava tentando interferir para, supostamente, livras seus filhos de investigações.

Moraes alega que o afastamento veio em decorrência de Leal querer agregar nas investigações casos que não estavam relacionados às denúncias apresentadas por Moro. Um deles seria o pedido feito a Procuradoria-Geral da República (PGR) para avaliar documentos que supostamente mostrariam que a  Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) teriam orientado a defesa do senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) no caso em que era investigado por rachadinhas. Essas orientações teriam sido feitas por meio de emissão de relatórios.

O delegado também teria solicitado informações sobre a exoneração de Alexandre Saraiva, ex-superintendente da corporação do Amazonas. Saraiva pediu uma investigação contra o ex-ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, sob acusação de organização criminosa e favorecimento a madeireiros e logo depois foi exonerado.

Moraes alegou a mudança dizendo que “as providências determinadas não estão no escopo desta investigação, pois se referem a atos que teriam sido efetivados no comando do DPF Paulo Maiurino, que assumiu a Diretoria-Geral da Polícia Federal em 6/4/2021, ou seja, após os fatos apurados no presente inquérito e sem qualquer relação com o mesmo”.

Um novo delegado será escolhido para continuar com as investigações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.