Ministério da Saúde confirma primeiros casos de transmissão de febre chikungunya no Brasil

A doença, parecida com a dengue, é transmitida pelo mesmo mosquito, o Aedes aegypti. Até hoje, os casos registrados no país eram de pessoas que haviam sido contaminadas no exterior

chinkO Ministério da Saúde confirmou nesta terça-feira (16/9) os primeiros casos de transmissão interna da febre chikungunya no Brasil. A doença, parecida com a dengue, é transmitida pelo mesmo mosquito, o Aedes aegypti. Até hoje, os casos registrados no país eram de pessoas que haviam sido contaminadas no exterior.

Os casos confirmados nesta terça são de pai e filha, de 53 e 31 anos, que vivem na cidade de Oiapoque, no Amapá. Eles apresentaram sintomas nos dias 26 e 27 de agosto e foram aconselhados a farem exames laboratoriais. Os resultados foram obtidos apenas na sexta-feira (12/9) passada.

A febre chikungunya é originária da África. Os sintomas da doença são semelhantes aos da dengue, mas é mais dolorosa, apesar de ter taxa de letalidade menor, estimada em uma morte para cada dois mil casos. As dores nas articulações provocadas pela chikungunya podem durar anos.

Além do Aedes aegypti, a doença também é transmitida pelo Aedes albopictus. Apesar da relativamente baixa taxa de fatalidade, especialistas alertam que idosos devem ter cuidado redobrado, especialmente aqueles com doenças crônicas, como câncer, doença cardíaca grave.

Os métodos de prevenção da doença são os mesmos aplicados para a prevenção da dengue. Ou seja, não deixar acumular água parada, que é o ambiente ideal para a reprodução dos mosquitos transmissores.

Sem contar os casos do Amapá, o Ministério da Saúde contabiliza 37 registros “importados” da doença. A maior parte é de soldados brasileiros contaminados no Haiti.

Um dos casos registrados foi em Goiás. A paciente, não identificada, com idade entre 35 e 40 anos, foi monitorada e não sofreu consequências graves da infecção. Ela contraiu a doença em uma viagem à República Dominicana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.