Por determinação do Ministério da Justiça e Segurança Pública, sob Flávio Dino, a Polícia Federal (PF) abriu um inquérito para apurar a suspeita de genocídio contra os povos Yanomamis. A investigação será conduzida pela superintendência da corporação em Roraima.

O governo federal quer saber se houve omissão de socorro e danos ambientais. Além de outros crimes em terras daquela população indígena. A suspeita de exploração ilegal de garimpo na região e poluição dos rios por produtos químicos.

O ministro da Justiça, Flávio Dino, na segunda-feira, 23, determinou o início da apuração acerca do incentivo político de exploração no território, durante o governo de Jair Bolsonaro (PL). Nas acusações, além de mineração, constam a interrupção dos serviços de saúde. O caso foi classificado como sigiloso.

Ajuda humanitária feita por militares na região | Foto: Agência Brasil
Ajuda humanitária feita por militares na região | Foto: Agência Brasil

“Desse modo, ante o incentivo político a garimpos ilegais em terras indígenas, o abandono no que tange à disponibilização de ações e serviços de saúde, bem como à ausência de estratégias para garantia da segurança militar dos Yanomami […], determino a essa Polícia Federal a instauração de procedimento de investigação da autoria de cometimento, em tese, dos crimes de genocídio, de omissão de socorro, e dos crimes ambientais […], além de outros crimes a serem apurados pela autoridade policial”, cita trecho do ofício do ministério.

Outro trecho salienta que houve “desmonte intencional contra os indígenas Yanomami ou genocídio”. “Os reiterados pedidos de ajuda contra a violência decorrente do garimpo ilegal, bem como a ausência de efetivas ações e serviços de saúde à disposição dos Yanomami, frisam possível intenção de causar lesão grave à integridade ou mesmo provocar a extinção do referido grupo originário”, frisa o documento.

Atendimento à saúde começa a ser restabelecido, com ajuda de voluntários | Foto: Agência Brasil
Atendimento à saúde começa a ser restabelecido, com ajuda de voluntários | Foto: Agência Brasil