Para o presidente do Diretório Metropolitano do MDB de Goiânia, vereador Henrique Alves, o partido já tem candidata à Prefeitura de Goiânia: Ana Paula Rezende, filha do ex-prefeito e ex-governador Iris Rezende. “Isso ainda não foi falado com ela. A mãe, Iris de Araújo, faleceu recentemente e o partido não vai forçá-la. Tem que ter uma vontade da parte dela”, explicou.

Segundo o vereador, existe um clamor muito grande dentro do partido — e até fora dele — para que ela coloque o nome à disposição. Apesar disso, ele pondera que é uma decisão que só deve ser tomada mais à frente, o mais provável é que seja só em 2024, o ano da eleição para prefeito.

Presidente do Diretório Metropolitano do MDB de Goiânia, vereador Henrique Alves, afirma que partido quer Ana Paula Rezende como candidata da prefeita, mas que não vai pressioná-la / Foto: reprodução Instagram



Na última semana, durante o velório da sua mãe, Ana Paula afirmou que, quando o pai morreu, há pouco mais de um ano, ela preferiu se distanciar da política, mas que, com o tempo, reavaliou a decisão por entender ser importante continuar o legado da família. “Hoje não me vejo candidatando a nenhum cargo público, mas penso em uma forma de continuar na política”, declarou.


Caso a filha de Iris decline da candidatura, o partido deve buscar outra alternativa. “O MDB é o maior partido da capital e a tendência é que tenha candidato”, cravou. E, para Henrique Alves, opções não faltam no partido. Na falta de Ana Paula, o principal nome seria o do ex-conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) Paulo Ortegal. Ele foi o braço direito de Iris Rezende e, nos bastidores da política há quem o chame pelo apelido de “Iris Junior”.

Além de Paulo, o presidente do diretório lembra que o deputados emedebistas eleitos que têm base forte em Goiânia, Lucas Calil e Charles Bento, podem ser uma opção assim como todos os seis vereadores do partido que hoje exercem mandato na Câmara Municipal: Anselmo Pereira, Denício Trindade, Dr. Gian, Izídio Alves, Kleybe Moraes, além do próprio Henrique Alves.

De qualquer forma, o vereador afirma que a decisão deve passar pelo presidente do MDB em Goiás e vice-governador, Daniel Vilela, e pelo governador Ronaldo Caiado (UB). “Estar na base de Caiado vai contar na decisão.” E Henrique Alves não descarta, inclusive, indicar o vice em outra chapa, em parceria com governador.