Material do PSB pede voto de senador para Lúcia Vânia e Kajuru

Com tiragem de 30 mil exemplares, caderno de quatro páginas traz espaços de presidente e governador em branco e o candidato do PRP no lugar de Marconi Perillo (PSDB)

Material da campanha impresso do candidato a deputado federal Elias Vaz (PSB) pede votos para Jorge Kajuru (PRP) ao Senado | Foto: Augusto Diniz/Jornal Opção

Material impresso da campanha do PSB em Goiás distribuído por cabos eleitorais nas ruas de Goiânia com a frase “Juntos vamos fazer uma nova política” pede votos para a senadora Lúcia Vânia (PSB), presidente do partido, o vereador Elias Vaz (PSB), que concorre ao cargo de deputado federal, e a vereadora Dra. Cristina Lopes (PSDB), que disputa vaga na Assembleia Legislativa. Todos são da mesma coligação.

Mas, no lugar do primeiro voto para senador, o pedido não é para o ex-governador Marconi Perillo (PSDB), mas sim para o vereador Jorge Kajuru (PRP), que é da coligação do senador Ronaldo Caiado (DEM), que é candidato a governador contra o grupo de Lúcia Vânia. Na capa do material impresso aparece a foto dos candidatos Elias Vaz, Kajuru e Dra. Cristina.

Nos espaços para governador e presidente, não há pedido de voto para qualquer um dos candidatos, nem mesmo para o governador José Eliton (PSDB), que é candidato a reeleição. Na disputa nacional, o PSB fez um acordo com o PT, desistiu de se aliar ao presidenciável Ciro Gomes (PDT) e se manteve neutro. Os quadros aparecem em branco.

Na última folha, o texto traz a seguinte informação: “Não anule seu voto nem vote em branco. Se fizer isto, você poderá estar beneficiando um candidato que não merece o seu voto”. Vale lembrar que o ex-governador Marconi Perillo (PSDB), que é companheiro de coligação de Lúcia Vânia na corrida pelas duas vagas em disputa para senador, é investigado pela operação Cash Delivery, do Ministério Público Federal (MPF), por suspeita de recebimento de R$ 12 milhões em propinas da empreiteira Odebrecht nas campanhas ao governo em 2010 e 2014 para possível beneficiamento em licitações públicas do Estado nas duas gestões.

Folheto traz Elias Vaz (PSB) para deputado federal, Jorge Kajuru (PRP) e Lúcia Vânia (PSB) para senadores e Dra. Cristina Lopes (PSDB) para deputada estadual | Foto: Augusto Diniz/Jornal Opção

Ao lado da foto de cada um dos quatro candidatos, o material traz um pequeno texto escrito pelos quatro. No meio das páginas 2 e 3 do folheto, é possível ler: “Vem com a gente. Seu voto é o que decide”. A frase surge entre a imagem de Elias, Kajuru, Cristina e Lúcia.

“O Senado vai tremer”, diz o candidato do PRP. Já a senadora do PSB afirma “sou ficha limpa e vou continuar representando a mulher no Senado”. De Elias, é possível ler “já fiz muito como vereador. Quero fazer muito mais!”. A tucana é a única que é descrita por uma frase que não é dela: “Ela é guerreira, ela é gente da gente”.

Registro de despesas
O material traz a informação de que pertence ao PSB, da coligação Goiás Avança Mais I, que tem juntos PSDB, PR, PSB, PPS, Solidariedade, PTB e PSD. O CNPJ do material é o mesmo da campanha de Elias Vaz a deputado federal: 31.224.669/001-90. Já o CNPJ da gráfica que recebeu da campanha do pessebista para produzir os 30 mil folhetos é o 02.234227/0001-27, que pertence à Poligráfica Indústria e Comércio LTDA, como consta na declaração de despesas do candidato a deputado federal.

De acordo com a prestação de contas parcial de Elias Vaz ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE), a Poligráfica prestou sete serviços de campanha ao candidato, de acordo com os dados disponíveis até as 17h32 de quinta-feira (4/10), que foram contratados pelo valor de R$ 18.849,50. O total pago à empresa representa 7,6% das despesas do pessebista no período eleitoral.

“Não anule seu voto nem vote em branco. Se fizer isto, você poderá estar beneficiando um candidato que não merece o seu voto. Vote consciente”, diz texto do material de Elias Vaz |Foto: Augusto Diniz/Jornal Opção

A reportagem tentou entrar em contato com o vereador e candidato a deputado federal Elias Vaz, que não atendeu as ligações. Em entrevista concedida ao Jornal Opção no final de maio, o pessebista já adiantava que não apoiaria Marconi para senador e José Eliton ao governo. “No palanque de José Eliton eu não subiria. Vou subir para Lúcia Vânia, para quem eu farei campanha. Não por falta de respeito pelo José Eliton ou Marconi, mas porque acredito que sejam posições diferentes da minha trajetória. Não tenho identidade com o projeto.”

E continua: “Quando digo isso não estou jogando pedra ou dizendo que não presta, é porque preciso defender a minha história e posição política. Não vou contrariar tudo que construí e penso. Campanha para a senadora eu farei com prazer e satisfação. Esse outro projeto vou respeitá-lo. Como posso querer que Lúcia Vânia rompa de uma hora para outra? Olho para o meu lado e também para o da Lúcia. Como a senadora vai romper com toda a história dela?”.

Na mesma entrevista de maio, Elias diz que tem trabalhado em conjunto com Cristina e Kajuru na Câmara de Goiânia, o que mostra proximidade entre os três parlamentares.

Por meio de nota, a candidata Lúcia Vânia se posicionou sobre o assunto na manhã de sexta-feira (5). Veja na íntegra:

Em relação à reportagem “Material do PSB pede voto de senador para Lúcia Vânia e Kajuru”, veiculada no site do Jornal Opção, a senadora Lúcia Vânia informa que não há como controlar a construção de composições diversas por parte dos candidatos a cargos proporcionais e que o apoio do vereador Elias Vaz, candidato pelo PSB, ao candidato ao Senado Jorge Kajuru já é conhecido, como a própria reportagem destaca.
Ademais, como podem verificar em material em anexo, essa tem sido uma prática comum nessa campanha e que teve início ainda em meados de setembro.
Quanto à senadora Lúcia Vânia, ela mantém seu compromisso com a coligação Goiás Avança Mais e, ontem mesmo (quinta-feira), Lúcia Vânia participou de evento oficial da chapa realizado em Anápolis juntamente com o candidato Marconi Perillo.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.