Marconi Perillo é tido como candidato da “pacificação” do PSDB nacional

Governador de Goiás tem influência em todas as alas do partido e é considerado a opção mais moderada 

Tasso Jereissati e Marconi dão coletiva de imprensa após reunião

Tido como uma liderança com grande capacidade de diálogo e aglutinação, o governador de Goiás, Marconi Perillo, é visto como a alternativa de pacificação para o comando do diretório nacional do PSDB.

No quarto mandato à frente do Governo de Goiás e depois de ter sido deputado federal e senador, Marconi circula bem em todos os segmentos tucanos e tem o apoio de lideranças tanto na ala que defende a saída imediata da gestão do presidente Michel Temer (PMDB) quanto naquela que prega o desembarque em função da deflagração do processo eleitoral para o Palácio do Planalto.

O governador de Goiás vem pregando a unidade interna para a construção de um programa consistente, liderado pelo partido, para a disputa de 2018. “Meu objetivo é a unidade. Não a unidade dos cemitérios, mas a unidade resultante do debate, do embate salutar de ideias, valores e princípios que encontre respaldo nas demandas da população brasileira. Um debate sobre o País que queremos”, disse após apresentar sua candidatura ao diretório para a bancada de senadores do PSDB.

A capacidade de conciliação política de Marconi é o principal argumento das lideranças que, publicamente ou nos bastidores, defendem o governador como o nome mais viável para a condução do diretório nacional. Integram esse time os governadores Pedro Taques (MT), Reinaldo Azambuja (MS) e o prefeito de São Paulo, João Doria, que defendem uma ampla aliança de centro para a disputa pela Presidência da República em 2018.

A avaliação desse grupo, que teria a simpatia do governador Geraldo Alckmin (SP) e também do senador José Serra, é a de que o novo presidente do PSDB tem de ter a capacidade de conversar com um grande espectro de partidos para a formação da aliança nacional.

“O governador Marconi Perillo é o nome da unidade e da aglutinação. Eu tenho um nome para a presidência do PSDB e esse nome é Marconi”, disse Doria em diversas ocasiões. “Não resta dúvida de que o governador Marconi é o nome mais preparado para conduzir o PSDB nacional. Ele conversa e é respeitado por todos, em todos os segmentos do partido”, diz o presidente da Assembleia Legislativa de Goiás, José Vitti.

Apoio paulista

Embora Alckmin não expresse publicamente sua preferência na disputa pelo diretório nacional, nos bastidores ele e Marconi estão alinhados na condução da sucessão no partido.

O governador de Goiás conversa diariamente com o colega paulista, aconselha e é aconselhado sobre o andamento das conversações internas. Marconi também está em linha direta com Serra e outros senadores tucanos que pregam a conciliação.

“O que está em discussão são duas visões de partido: uma mais ampla, voltada para a formação de uma aliança forte, com todos os partidos de centro, sem radicalismos, e outra menos conciliadora politicamente”, diz uma liderança nacional tucana.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.