Marconi e representantes de cinco estados exigem mais investimentos no setor sucroenergético

Perillo, Beto Richa, Geraldo Alckmin, Reinaldo Azambuja, Pedro Taques e Renan Filho assinaram carta que será encaminhada à presidente com pedidos do setor

Em reunião, governadores discutem setor sucroenergético | Foto: reprodução / Siga Marconi

Em reunião, governadores discutem setor sucroenergético | Foto: reprodução / Siga Marconi

O governador Marconi Perillo (PSDB) recebeu em Goiânia os governadores do Paraná, Beto Richa (PSDB); de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB); do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB); e o do Mato Grosso, Pedro Taques (PDT). Os cinco representantes dos estados discutiram a atual situação do setor sucroenergético no país.

Segundo Marconi, a crise que o Brasil enfrenta faz com que as deliberações sobre o assunto sejam urgentes. Ele afirmou ainda que a União reduziu drasticamente as políticas de incentivo ao setor e que, como consequência, 60 empresas foram fechadas e 87 estão em recuperação judicial, num universo de 380 usinas no país.

Além dos presentes, José Renan Calheiros Filho (PMDB), governador de Alagoas, participou da reunião – que também contou com representantes do setor sucroenergético – por telefone e deu total apoio às decisões que foram tomadas na ocasião.

Azambuja destacou que todos os estados devem se comprometer e apresentar uma pauta comum de reivindicações, apontando a importância da matriz energética, já que o etanol brasileiro é uma das principais fontes de energia limpa e renovável do mundo.

Já Pedro Taques realçou a importância de o governo federal fazer programas que não permitam que o setor sofra com a sazonalidade. Para o governador do Mato Grosso, a matriz energética deve ter mais segurança.

Esse é o mesmo pedido de Beto Richa, que defende uma política perene vinda da União, ao contrário de “anúncios improvisados”. Além disso, o chefe do executivo do Paraná cobra um conjunto de medidas tributárias, financeiras e de produção para que os investimentos federais possam retornar.

Governador assina carta que será encaminhada à presidente | Foto: reprodução / Siga Marconi

Governador assina carta que será encaminhada à presidente | Foto: reprodução / Siga Marconi

O governador de São Paulo apresentou a meta dos presentes na reunião: aumentar para 30% a quantidade de etanol na gasolina, já que assim o combustível será “mais limpo, renovável e mais empregos serão gerados”. Outro fator relevante para a meta é a possibilidade de produção de bioeletricidade em grandes centros.

Com essas medidas, “vamos salvar muitos empregos, garantir investimentos do governo no setor e produzir uma energia mais limpa”, explicou Alckmin.

A reunião terminou com a assinatura dos seis governadores (os cinco presentes e Renan Filho) de uma carta que será encaminhada à presidente Dilma Rousseff (PT). Na carta de Goiânia eles explicitam as metas que querem alcançar e pedem uma audiência formal com a presidente.

5
Deixe um comentário

5 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
5 Comment authors
Welbi Maia Brito

Os governos do PT, Dilma e Lula, quebraram o setor sucroenergético.
Usinas fechadas e milhares de empregos perdidos. Enquanto o mundo busca fontes
de energia renováveis e menos poluentes, o governo federal, com sua política
irresponsável, está levando a falências nossos produtores. Tomara que essa
frente de governadores consiga fazer o congresso e o governo reverter tão
tenebroso quadro.

Daniel Duarte

Lula, Dilma e o PT não quebraram somente o setor sucroenergético eles quebraram muitos e muitos setores. A única coisa que eles fortaleceram foi a corrupção.

Gabriel Kovalski

Os governadores são obrigados a se unirem para “pedir” ajuda ao governo federal e a nossa presidenta, parabéns pela iniciativa, por se preocuparem com todas as áreas que um governo cuida, eu no lugar da Dilma ficaria com vergonha de receber esse tipo de carta com uma solicitação de auxilio, pois acho que isso nem precisaria ser pedido, é uma obrigação !!!

Antonio Carlos Martins Junior

Governadores que estão seguindo justamente no sentido oposto do governo federal. Enquanto tudo para em Brasília governadores e prefeitos vão se virando como podem. Gostaria de parabenizar em especial o governador do Paraná que vem sofrendo muito com as conspirações do PT que infiltra militantes dentro de sindicatos para ataca-lo, e mesmo assim ele dá a volta por cima e consegue solução para diversos problemas.

Claudio Rangel

Que papelão heim dona Dilma, os governadores tem que se reunir para escreverem uma cartinha para a senhora liberar a grana que rouba do pobre povo brasileiro, esse país ta no buraco mesmo, mas mesmo assim meus parabéns pela atitude destes governadores pois tiveram a coragem de ainda tentar algo do PT.