Líder do governo Ricardo Barros será ouvido sobre suspeitas na compra da Covaxin

Segundo depoimento dos irmãos Miranda, houve pressão do alto escalão do Ministério da Saúde para a aquisição da vacina

Líder do governo na Câmara, Ricardo Barros | Foto: Michel Jesus /Câmara Dos Deputados

A Comissão Parlamentar de Inquérito, conhecida como CPI da Pandemia, vai ouvir nesta quinta-feira, 12, o deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara. Ex-ministro da Saúde e um principais nomes do centrão, deve prestar esclarecimentos sobre suspeitas de irregularidades no processo de compra da vacina Covaxin.

O parlamentar entrou na mira da comissão após o deputado Luis Miranda (DEM-DF) e seu irmão, o servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda, terem denunciado que houve pressão do alto escalão do ministério para a aquisição da Covaxin.

Segundo depoimento de ambos, levaram o caso, pessoalmente, ao presidente Jair Bolsonaro, em uma reunião no Palácio Alvorada no dia 20 de março. Na ocasião, segundo os irmãos Miranda, o presidente lamentou o ocorrido e indicou que Ricardo Barros participava de um esquema no Ministério da Saúde. Além disso, teriam apresentado a Bolsonaro uma cópia da primeira versão do documento de importação da Covaxin, que continha erros e previa um pagamento antecipado pela compra dos imunizantes.

A vacina é desenvolvida pelo laboratório indiano Bharat Biotech, que era representado no Brasil pela Precisa Medicamentos, foi a mais cara negociada pelo governo brasileiro. Cada dose sairia por US$ 15. Em virtude das suspeitas de ilegalidades, o contrato, fechado em tempo recorde, foi suspenso sem que nenhuma dose tivesse sido entregue e nenhum real desembolsado pelo governo.

Na CPI, os irmãos Miranda disseram que no dia da reunião no Alvorada, Bolsonaro citou Barros nominalmente ao falar sobre as possíveis irregularidades. Barros foi ministro da Saúde entre 2016 e 2018, no governo do ex-presidente Michel Temer.  Ele nega ter cometido qualquer irregularidade.

*Com informações do O Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.