Carlos Soares, do PT, afirmou que vereadores da base aliada esperam reunião com secretária para saber se denúncias procedem

Líder do prefeito, Carlos Soares espera reunião com secretária | Foto: Marcelo do Vale/Câmara de Goiânia
Líder do prefeito, Carlos Soares espera reunião com secretária | Foto: Marcelo do Vale/Câmara de Goiânia

O líder do prefeito Paulo Garcia (PT) na Câmara de Vereadores, o também petista Carlos Soares, afirmou nesta quarta-feira (24/6) que a secretária Municipal de Educação, Neyde Aparecida (PT), deve informar à base aliada se as denúncias de supostas irregularidades na distribuição da merenda escolar na capital procedem.

“Eu acho que após alguns dias de apuração ela tem sim que conversar conosco e informar o que está sendo feito. Porque é uma secretaria que tem pessoas que administravam a merenda e que contavam com a confiança da Neyde”, avaliou. Na terça-feira, o líder relatou que espera investigação imediata das informações.

Ainda segundo Carlos Soares, a titular da pasta “certamente” deve comunicar os vereadores sobre o que de fato aconteceu. “Se teve desvio conduta, e ela não estava sabendo, tenho certeza que com a apuração ela vai ficar a par e comunicar não só a Câmara, mas também toda a sociedade.”

[relacionadas artigos=”38833,38813,38813″]

Na terça-feira (23), o Elias Vaz (PSB) apresentou dados que indicariam desvio de produtos para a confecção da merenda, como carne bovina e de frango. Segundo relatório apresentado pelo oposicionista, o Paço Municipal não teria entregue mais de 1,9 toneladas desses itens no período entre novembro de 2014 até abril deste ano. Já na sessão de hoje, o pessebista divulgou novas informações relativas a não entrega de produtos como pães do tipo mandi e de milho, além de bolo de baunilha e biscoitos de polvilho.

A distribuição é de responsabilidade da Secretaria Municipal de Educação (SME).

Prisão

Os debates sobre as possíveis irregularidades foram acalorados na sessão desta quarta-feira. Djalma Araújo (SD) apresentou requerimento que pede o afastamento de Neyde Aparecida da SME e da comissão responsável por investigar as denúncias. O vereador também defendeu a criação de uma Comissão Especia de Inquérito (CEI) para apurar os fatos.

Já Pedro Azulão Jr. (PSB) chegou a pedir a prisão da titular. “Ela deveria ter agido antes, para evitar esse absurdo na distribuição da merenda escolar.”