“Lázaro não vai se entregar de mão beijada”, diz sargento que o caçou em 2008

O sargento aposentado da Polícia Militar da Bahia, Valter Lourenço dos Santos, revelou alguns detalhes de como foi a caçada que organizou para encontrar Lázaro, em 2008

Sargento afirma que criminoso não se entregará facilmente.


Atualmente, Lázaro é o criminoso mais procurado na região de Goiás e do Distrito Federal. A polícia está a oito dias em uma operação para tentar encontrá-lo na região de Cocalzinho. Para o sargento Valter Lourenço dos Santos, que passou pela mesma situação em 2008, o que atrapalha a captura de Lázaro é o seu vasto conhecimento nas regiões de mata onde se infiltra. Segundo ele, “Lázaro se movimenta muitíssimo bem no mato, é caçador. Ele conhece o mato como a palma da mão dele. Esse conhecimento dele atrapalhou muito as buscas. Tivemos que contratar dois vaqueiros que conheciam bem a caatinga para ajudar a rastreá-lo. Acredito que essa seja a mesma dificuldade da polícia daí.”

Foram 15 dias de buscas para tentar encontrar o criminoso na caatinga, em 2008, e mesmo assim a polícia baiana só conseguiu prender Lázaro porque ele se entregou. É o que conta o militar, e sobre a atual caçada ele afirma que “Lázaro não vai se entregar de mão beijada e não vai se deixar ser capturado. Se ele estiver armado, ele vai até o final.” Para o militar, Lázaro repetirá a mesma estratégia que fez em 2008 e por isso só se entregará “quando se sentir cansado e gastar todos os recursos que tem, talvez ele procure alguém para ajudá-lo a se entregar, sem correr o risco de ser morto”, afirma Valter Lourenço dos Santos, ao Jornal de Brasília.

Na caçada organizada pelo sargento, Lázaro, depois de se ver cercado pela polícia, decidiu procurar Alberic Martins, um morador conhecido na cidade de Barra do Mendes (BA). Ele pediu que fosse o próprio sargento que o prendesse, sem correr o risco de ser morto. Ele foi levado para a Penitenciária Estadual de Irecê, contudo ficou lá apenas 15 dias e conseguiu fugir novamente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.