Luiz Antônio Arantes foi um dos investigados da operação do MPGO que revelou um esquema de corrupção dentro da universidade

Luiz Antônio Arantes, ex-reitor da UEG | Foto: Divulgação
Luiz Antônio Arantes, ex-reitor da UEG | Foto: Divulgação

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) concedeu, nesta terça-feira (16/8), habeas corpus para trancamento da ação penal contra o ex-reitor da Universidade Estadual de Goiás (UEG), Luiz Antônio Arantes. Ele é acusado dos crimes de peculato, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

O relator do processo, o desembargador Fábio Cristovão de Campos Faria, entendeu que a denúncia do Ministério Público de Goiás (MPGO) estaria baseada em provas ilícitas, com gravação de áudio e vídeo sem autorização judicial.

No último dia 6 de março, a 2ª Câmara negou o habeas corpus ao ex-reitor pela falta de elementos apresentados pela defesa. Dessa vez, no entanto, o entendimento judicial deu o parecer favorável a Luiz Antônio.

O ex-reitor foi um dos investigados da Operação Boca do Caixa, deflagrada pelo órgão ministerial em 2012, quando foi revelado um esquema de corrupção na UEG, responsável pelo desvio de R$ 425,3 mil em benefício da campanha para deputado federal do ex-reitor José Izecias, em 2006.

A defesa de Luiz Antônio atesta que ele não possui participação na transferência de recursos dos cofres da universidade.