Justiça nega revogação de prisão do personal trainer gravado agredindo namorada

Decisão considera que defesa do acusado não apresentou fato suficiente. Murilo Segurado espancou namorada em agosto deste ano

O juiz Jesseir Coelho de Alcântara, da 3º Vara dos Crimes Dolosos Contra a Vida e Tribunal do Júri de Goiânia, decidiu na terça-feira, 17, negar o pedido de revogação da prisão do personal trainer, Murilo de Morais Segurado, gravado por câmeras de segurança batendo em sua namorada em agosto deste ano.

O pedido da defesa do acusado alegava que Murilo tinha bons antecedentes, sendo réu primário e se comprometia a não entrar em contato com a família da vítima. Apesar disso, o juiz considerou o material insuficiente, apresentando o fato de Murilo já ter respondido a crimes de injuria e ameaça, ambos os processos arquivados em razão burocráticas, como pontuado por Jesseir.

“Quanto ao mérito, entendo que este não é o momento oportuno para aprofundamento acerca da ocorrência do animus necandi ou animus laedendi na conduta do requerente, razão pela qual se faz necessário aguardar a formação do Ministério público, titular da ação penal”, considera o juiz na decisão.

O juiz cita as imagens divulgadas, que mostraram a vítima sendo atacada, derrubada no chão e agredida com murros e chutes e destaca agravante do crime ter sido praticado em via pública, o que, para o juiz, demonstra atitude “ousada do requerente”.

O caso

Conforme consta nos autos do processo, o personal espancou a namorada no dia 28 de agosto, tendo sido as imagens divulgadas nesta quarta-feira, 18. Segundo o relato da vítima à Polícia Civil, a veterinária, que tem a mesma idade dele, foi agredida quando eles iam para a igreja. A série de agressões só cessou com a chegada de um policial ao local, que perseguiu Murilo, que segue preso desde então.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.