Justiça mantém decisão que encaminhou Carlinhos Cachoeira para regime semiaberto

Caso agora ficará sob responsabilidade do juiz Iscar de Oliveira, da 7ª Vara Criminal de Goiânia

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), por maioria de votos, seguiu o voto do relator, desembargador Luiz Cláudio Veiga Braga, concedendo habeas corpus impetrado pela defesa de Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, para manter decisão liminar da 7ª Vara Criminal de Goiânia para que contraventor seja encaminhado para o regime semiaberto. Determinou, ainda, que o processo siga sob a tutela do juiz Oscar de Oliveira Sá Neto.

Cachoeira foi condenado a 6 anos e 8 meses de prisão pelos crimes de corrupção e fraude em licitação no caso Loterj. A condenação está relacionada com o caso que foi investigado na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Bingos, em 2004, que apurou o uso de casas de bingo para lavagem de dinheiro.

Na época, o então assessor da Casa Civil da Presidência da República, Waldomiro Diniz, foi exonerado do cargo após divulgação de uma fita de vídeo em que aparecia pedindo propina a Cachoeira.

No entanto, após entrar com recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ), a pena de Cachoeira foi reduzida para 4 anos, e a progressão para o regime semiaberto, utilizando tornozeleira eletrônica.

Com a decisão da 2ª Câmara Criminal, a partir de agora, a ação penal ficará sob responsabilidade do juiz Oscar de Oliveira, da 7ª Vara Criminal de Goiânia.

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.