Julgamento do recurso de chapa acusada de fraude eleitoral segue no TRE-GO

PTN (atualmente Podemos) registrou mulheres apenas para cumprir a cota feminina de 30% obrigatória por lei

| Fotos: Fernando Leite/ Jornal Opção e Eduardo Nogueira/ Câmara

*Atualização – 3/4
Diferente do que havia sido informado anteriormente, o julgamento do caso não foi cancelado ou adiado

O Tribunal Regional Eleitoral de Goiás (TRE-GO) prosseguiu nesta segunda-feira (2/4) com o julgamento de recurso que coloca em risco os mandatos dos vereadores Sargento Novandir e Emilson Pereira, do Podemos (ex-PTN). A ação foi proposta pelo ex-vereador Carlos Soares (PT). Na sessão, foram ouvidas novas testemunhas e o caso segue ainda sem definição.

Segundo o processo, o PTN (atualmente Podemos) registrou mulheres que não fazem parte efetivamente da atividade parlamentar apenas para cumprir a cota feminina de 30% obrigatória por lei, o que configura fraude no Demonstrativo de Regularidade de Atos Partidários (DRAP). O esquema foi descoberto a partir de depoimentos.

Entre as testemunhas ouvidas, algumas chegaram a ser registradas como candidatas, receberam santinhos mas com ordem para queimá-los, não gravaram propagandas eleitorais, e sequer votaram nelas mesmas. Algumas delas afirmaram ter recebido inclusive promessa de pagamento em dinheiro do ex-presidente municipal do partido, Leonardo Avalanche, para assinarem a filiação.

O Jornal Opção tentou contato com os vereadores Sargento Novandir e com o ex-vereador Carlos Soares, mas até o fechamento desta matéria eles não atenderam às ligações. O vereador Emilson Pereira afirmou que não tinha conhecimento da suspensão e responderia após conversa com os advogados.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.