Julgamento de Lula na segunda instância pode demorar mais de um ano

Se média da análise de processos pelos desembargadores Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) for mantida, destino do ex-presidente deve demorar para ser definido

Apesar de ter sido condenado na última quarta-feira (12/7) a nove anos de prisão e seis meses por corrupção e lavagem de dinheiro, o ex-presidente Lula não será preso imediatamente. Isso porque uma eventual detenção vai depender da homologação da sentença do juiz Sergio Moro no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) de Porto Alegre.

Só que a análise do processo no TRF4 pode demorar, caso seja mantida a média de julgamento dos desembargadores, até um ano para ser feita. Este prazo é importante porque, se for condenado até 15 de agosto de 2018, data limite para registro de candidaturas, Lula não poderá concorrer ao cargo de presidente.

Em sua sentença, Moro previu a inelegibilidade de Lula em 19 anos, ou seja, caso os desembargadores confirmem sua decisão, o ex-presidente não poderá concorrer nem exercitar cargos e funções públicas. Depois de o petista ter sido condenado, seus aliados vieram à público dizer que a condenação visa impedir que ele dispute em 2018.

Deixe um comentário