Após passar por audiência de custódia no último sábado, 11, o homem, de 27 anos suspeito de manter uma adolescente de 13 anos em cárcere privado e sem comida, ganhou liberdade provisória. A decisão foi feita pela juíza Patrícia Machado Carrijo, que entendeu não existir “elementos concretos de que em liberdade possa atentar contra a ordem pública, dificultar a instrução processual ou obstruir a aplicação da lei penal”, escreveu.

O suspeito que é namorado da vítima tinha sido preso em flagrante na última sexta-feira, 10, após a vítima conseguir fugir e pedir ajuda. Ela foi encontrada após três dias de tortura. Ela teve os dentes quebrados após receber socos e chutes.

A juíza concedeu a vítima medida protetiva contra o suspeito. Por isso, ele fica impedido de se aproximar mais de 500 metros dela ou de manter contato com ela por quaisquer meios de comunicação.

Além do crime Lei Maria Penha, o homem já tinha passagem por tráfico de drogas. Entretanto, a Justiça arquivou o caso por falta de provas.