Flávio Marques Alves foi preso em flagrante delito, no dia 9 de agosto, em São Luiz de Montes Belos. Ele disse ter se mudado para a cidade porque sua imagem estava sendo divulgada como o principal suspeito dos crimes ocorridos na capital

A juíza Placidina Pires, da 10ª Vara Criminal, decretou a prisão preventiva Flávio Marques Alves pelo crime de receptação de motos roubadas. Ele foi preso em flagrante delito, no dia 9 de agosto, em São Luiz de Montes Belos, pela suposta prática do delito.

[Atualização]: A Polícia Civil informa que Flávio foi investigado pelos homicídios de mulheres em Goiânia, mas nunca foi colocado como suspeito. O inquérito sobre o caso ainda não foi concluído.

Nesta quarta-feira (13/8), foram homologados o auto de prisão em flagrante e a decisão pela prisão preventiva com o objetivo de garantir a ordem pública, conveniência da instrução criminal e correta aplicação da lei penal, assim como evitar a prática de novas infrações.

De acordo com os autos, o suspeito foi preso após policiais militares encontrarem em sua residência, na capital, uma motocicleta de cor vermelha, obtida em um crime praticado por ele. O veículo estava desmontado e sem algumas peças. No momento, não havia ninguém na residência.

Posteriormente, os PMs souberam que o suspeito estava em São Luiz de Montes Belos e que possuía diversos crimes de roubo em seu histórico criminal. Por esse motivo, se deslocaram até a cidade e efetuaram a prisão em flagrante do suspeito. Questionado sobre a motocicleta encontrada na casa dele, em Goiânia, Flávio confessou que adquiriu o veículo, mesmo sabendo que se trava de produto roubado, pelo valor de R$ 150, mas disse não saber dizer o nome do vendedor.

Ele também negou qualquer envolvimento com os crimes de homicídios de mulheres na capital goiana, confessando, entretanto, a autoria de outros crimes, como delitos de roubo em um açougue no Jardim América e em uma padaria no setor Moinho dos Ventos, todos em Goiânia. Segundo Flávio, ele se mudou para a casa da sogra, em São Luiz de Montes Belos, porque sua imagem estava sendo divulgada como o principal suspeito de ser o motoqueiro que está assassinando mulheres em Goiânia.

Homicídios

Recentemente o governo do Estado criou uma força-tarefa da Polícia Civil para investigar os crimes. Participam deste grupo 16 delegados, sendo nove da DIH, três que atuam em outras delegacias e outros três do interior.

Outra medida do governo foi reforçar o contingente da Polícia Militar (PM) com cerca de 600 policiais voluntários. Os policiais irão atuar nos setores Central, Jardim Novo Mundo, Jardim Guanabara, Pedro Ludovico, Finsocial, Norte Ferroviário, Real Conquista e Conjunto Tropical, considerados pela polícia como as mais violentas do capital.

A possibilidade de um criminoso do tipo estar solto pelas ruas da cidade foi parar nas redes sociais, o que gerou boatos, falsas denúncias e informações desencontradas. A família de uma das 13 vítimas está oferecendo recompensa para quem der o paradeiro do homicida.

Sobre outra moto encontrada na casa da cunhada dele, o suspeito afirmou tê-la comprado pela quantia de R$ 600,00 e que o veículo também possuía restrição por furto ou roubo, tendo sido utilizado para a prática de delitos.

A juíza Placidina pontuou em sua decisão que Flávio reúne condições pessoais hábeis para demonstrar que, uma vez solto, poderá voltar a praticar crimes, pois mesmo condenado diversas vezes por outros crimes e com processo de execução em trâmite, supostamente praticou novo delito.